Com o país vivendo sua pior crise econômica da história, restou ao novo presidente da república, Michel Temer, fazer o possível para estimular a #Economia, recuperar os cofres públicos e tentar consertar os erros dos governos passados. Para isso, Temer propôs várias reformas para recuperar a saúde econômica do país.

Diferentemente da PEC dos gastos públicos, que foi facilmente aprovada no primeiro turno da Câmara dos Deputados, a Reforma Previdenciária pode não ser tão bem vista assim, tudo isso porque pode mudar o futuro dos parlamentares e eliminar a aposentadoria especial, que todos eles têm direito.

Qual a finalidade da reforma?

Embora existam muitas críticas as atuais reformas, as mesmas são essenciais para a difícil fase econômica do país, pois com tanta corrupção, desvios e mal uso da máquina pública, o país está em uma crise tão profunda que não há expectativa de que seja possível continuar pagando aposentadorias e pensões em um futuro não muito distante, mesmo as de um salário mínimo.

Publicidade
Publicidade

Temer já disse que se não houver a reforma, absolutamente ninguém receberá aposentadoria no futuro, inclusive ele ou qualquer político.

Atualmente, os políticos possuem um regime previdenciário diferenciado, o mesmo usado pela maioria dos servidores públicos, onde é necessário ter pelo menos 35 anos de contribuição e 60 anos de idade para ganhar o valor integral da aposentadoria. Também é possível a aposentadoria por anos de mandato, sendo necessário pelo menos oito anos para gozar de proventos proporcionais, além do cumprimento dos outros requisitos.

Um auxiliar do presidente da república teria dito que, mesmo com a expectativa de uma possível resistência, esse será o momento dos parlamentares darem um bom exemplo, pois, por conta da crise nacional, os trabalhadores também sofrerão limitações.

Publicidade

As atuais medidas para recuperar o país têm sido pensadas para o crescimento da economia dos cofres públicos. Nada impede que após o país se recuperar e voltar a ser forte economicamente falando, novas medidas, mais flexíveis para todos os brasileiros, sejam propostas para apreciação do Congresso Nacional. #Reforma da Previdência #Michel Temer