O senador #Renan Calheiros (PMDB-AL), que atualmente exerce a função de presidente do #Senado Federal, fez duras críticas e mostrou uma intensa irritação em relação ao caso das prisões de quatro agentes da Polícia Legislativa feitas por agentes da Polícia Federal, na última sexta-feira (21). Renan se pronunciou em uma entrevista coletiva realizada nessa segunda-feira (24) a jornalistas. Além de atacar a #Polícia Federal, o senador também criticou e chamou de “chefete de polícia” o comportamento do atual ministro da justiça, Alexandre de Moraes.

“O atual ministro da Justiça não tem se portado como um ministro de estado. O seu comportamento, no máximo se parece com o de um chefete de polícia”.

Publicidade
Publicidade

Ele fala mais do que devia, e vive dando bom dia a cavalo”, declarou.

A revolta de Renan Calheiros com o ministro da Justiça  tem a ver com vazamento de informações que teriam vindo do Planalto. Nesses vazamentos, Renan teria pedido ao governo “a cabeça de Moraes”.

Renan Calheiros também questionou a ação da Justiça Federal no caso

Sobre a ação tomada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, que ordenou que fossem suspensas as atividades dos quatro acusados de ter auxiliado na obstrução, das investigações da Operação Lava Jato. O presidente do Senado, disse que questionará a atitude no Supremo Tribunal Federal.

“Somente o STF pode autorizar uma operação da Polícia Federal no Senado, não um juizeco de primeira instância”.

Além de criticar o juiz da 10ª Vara da Justiça Federal, Renan Calheiros defendeu a Polícia Legislativa do Senado e suas varreduras em residências de senadores. Para ele, a ação de varredura é constitucional e que ação feita pela polícia legislativa é “rotina” entre os senadores.

Publicidade

Segundo ele, somente entre os anos de 2013 e 2017, foram feitas 17 varreduras em residências de senadores.

Ao final de suas declarações na entrevista coletiva, Renan Calheiros disse que a Polícia Legislativa não é uma invenção de ninguém, como muitos tentam fazer aparentar e que ela tem sua influência e poder entre os senadores.