O clima continua extremamente tenso em Brasília e a troca de acusações entre os poderes legislativo e judiciário, ainda se mantém no universo político brasileiro. Após as palavras da ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, que afirmou que toda vez que um membro do judiciário em todas as suas instâncias sofre críticas improcedentes, geralmente, "fora dos autos", é toda a classe que está representada, que recebe as acusações. Além disso, a magistrada exigiu que o respeito entre os poderes, seja algo primordial. As críticas do senador #Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Congresso Nacional, haviam sido dirigidas à condução dos trabalhos do juiz federal   em primeira instância, Valisney Souza de Oliveira, que culminou em mandados de busca e apreensão no Senado Federal e na prisão de quatro agentes legislativos, subordinados a Renan Calheiros.

Publicidade
Publicidade

O juiz Valisney é responsável pela Operação Métis, braço da Lava-jato, a partir da décima Vara Criminal de Brasília. A presidente do #STF rebateu as críticas de Renan ao trabalho do juiz federal, que foi, até mesmo, chamado pelo senador alagoano de "juizeco de primeira instância".

Renan rebate Cármen Lúcia

Após as palavras da ministra que comanda a mais alta Corte do País, Renan Calheiros considerou dar uma resposta à altura, porém, acabou concordando que Cármen Lúcia possui todas as virtudes necessárias para comandar o Supremo Tribunal Federal. em seguida, foi enfático ao criticar o posicionamento de Lúcia, com referência à atuação do juiz federal de Brasília. Segundo Calheiros, "Cármen Lúcia deveria ter condenado a usurpação da competência do Supremo, pela primeira instância", ressaltou, em crítica direta ao juiz Valisney.

Publicidade

Em outra crítica contra a presidente do Supremo, Renan foi enfático: "Ela (Cármen Lúcia) fez o que lhe é cabido, a defesa do Judiciário. Eu fiz o que me cabe, defender o Legislativo", declarou. Já desde o período da manhã desta terça-feira (25), Renan planeja responder à ministra Cármen Lúcia.Porém, acabou, segundo interlocutores, reagido, já que acreditava que precisaria dar uma resposta sobre o caso. O presidente da República, Michel Temer, com o intuito de pôr "panos quentes" resolveu agendar uma reunião para esta quarta-feira com o senador Renan Calheiros e a presidente do STF, Cármen Lúcia. #Governo