Ana Júlia Ribeiro (16) é uma estudante do ensino médio que viralizou na internet ao discursar no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) sobre a ocupação dos estudantes no Colégio Estadual Senador Alencar Guimarães, em Curitiba. Movida à emoção, ela apresentou os seus argumentos acerca da Reforma do Ensino Médio e da PEC241.

Em uma entrevista dada à BBC Brasil, a estudante afirmou nunca ter discursado antes e, surpreendeu-se com a repercussão, inclusive pensou em desativar a sua conta no Facebook – alegou medo. Seu discurso foi destaque inclusive na imprensa internacional.

Segundo o advogado Júlio Ribeiro, pai de Ana Júlia, a moça é muito estudiosa e ama ler.

Publicidade
Publicidade

Um de seus livros favoritos é: O Mundo de Sofia (1991), que trata de um romance – escrito por Jostein Gaarder.

Ana Júlia tem planos. Segundo a BBC Brasil, ela pretende cursar Direito na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e se dedicar aos Direitos Humanos.

A estudante deixou claro na entrevista dada à BBC Brasil que não tem relação alguma com nenhuma entidade do movimento estudantil e se diz apartidária.

“Nossa bandeira é a #Educação, os estudantes pelos estudantes. Não é porque pensamos diferente dos outros que somos doutrinados. Não consideramos os outros doutrinados por eles terem um ponto de vista diferente do nosso.”

Os pais de Ana Júlia, o advogado Júlio Ribeiro e, a mãe, Maria Aparecida da Silva Ribeiro, professora em uma escola municipal de ensino em Curitiba deram uma entrevista exclusiva aos Jornalistas Livres e, afirmaram terem prestado todo o apoio necessário aos estudantes, pois, segundo eles, essa luta é de todos.

Publicidade

“Os estudantes estão cuidando da escola, verificando a estrutura e melhorando, muitos deles estão pintando e fazendo a horta comunitária - estão dando um abraço solidário - não é uma luta só deles. É uma luta de todos nós, que queremos uma melhor educação”, diz o pai. 

“É uma luta difícil, mas necessária. Nós concordamos com o movimento deles. É inaceitável o que está acontecendo”, ressalta a mãe da jovem.

De acordo com o movimento Ocupa Paraná, as ocupações começaram no dia 3 de outubro, estimando 850 escolas, 14 universidades e 3 núcleos.  #Pec241 #MovimentoEstudantil