Sérgio Machado, delator da #Lava Jato, disse que o ex-senador #José Sarney (PMDB-AP) teria recebido propina de contratos da Transpetro no valor de cerca de R$ 18,5 milhões. Como forma de impedir as investigações, Sarney teria solicitado que servidores públicos fizessem varreduras em seu imóvel, para encontrar e destruir possíveis escutas, autorizadas pela justiça, implantadas no local.

Esta sexta-feira (21), através da denúncia de um agente da segurança da Casa à Polícia Federal, foram presos quatro policiais do legislativo acusados de atuarem em ação de contrainteligência para favorecer senadores investigados em operações da PF, como a Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Entre os senadores envolvidos, além José Sarney, que é ex-presidente do senado e ex-senador, ainda estão Fernando Collor de Mello (PTC-AL), Edison Lobão (PMDB-MA) e Gleisi Hoffmann (PT-PR).

O advogado do ex-Senador, Antônio Carlos de Almeida Castro, afirmou que ele está “atônito, mas tranquilo” com a operação e que não houve qualquer infração cometida pelo político. "Por ser ex-senador, José Sarney não usa os serviços da Polícia Legislativa", diz o advogado.

A ação da PF

Segundo a Polícia Federal, a ação, que faz parte da Operação Métis, pretendia desarticular associação criminosa armada responsável por atrapalhar a Operação Lava-Jato e outras investigações.

A 10.ª Vara Federal do Distrito Federal expediu até o momento nove mandados judiciais nesta operação, todos em Brasília, sendo eles quatro mandados de prisão temporária e cinco de busca e apreensão.

Publicidade

Delação de Sérgio Machado

Machado afirmou que dos R$18,5 milhões recebidos por Sarney, R$ 16 milhões teriam sido pagos em espécie, e que este dinheiro é parte do valor pago em propina ao PMDB, no montante superior a R$ 100 milhões ao longo dos anos.

O delator disse que desde 1980 que conhece Sarney, porém só no início de 2006 o ex-senador veio a sua procura com a alegação de que estava "enfrentando dificuldades com a formação de sua base #Política no Amapá e no Maranhão”. Este contato seria com a finalidade de contornar problemas financeiros.

Segundo Machado, Sarney recebeu propina de diversas formas e até mesmo através de outros partidos políticos.

Escutas Ilegais

Machado gravou conversas particulares com Renan, Sarney e Jucá e já no âmbito da delação da operação da Lava Jato, negociando com a Procuradoria-Geral da República.