O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da operação Lava Jato, deu referência a um discurso que o ex-presidente americano Theodore Roosevelt realizou em 7 de dezembro de 1903. Moro evidenciou a fala do ex-presidente que afirmava não existir um "#Crime mais sério do que a #Corrupção".

Sérgio Moro afirmou que entre os crimes de assassinato e roubos, a corrupção ainda é o pior. Ele justificou que se um assassino teve o poder de tirar uma vida, o corrupto é capaz de ameaçar a vida de milhões de pessoas em um Estado. Se um ladrão roubou um indivíduo, o corrupto é capaz de roubar simultaneamente milhões de pessoas.

Publicidade
Publicidade

Moro avaliou que um crime de assassinato não é pior quanto o de corrupção, o corrupto tem a capacidade de assassinar uma comunidade. 

Moro citou as palavras do ex-presidente após declarar a prisão do ex-senador Gim Argello (PTB-DF) que é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. As investigações da Lava Jato apontaram que o ex-senador recebeu cerca de R$ 7,35 milhões das empresas OAS, UTC Engenharia e Toyo Setal. Argello está condenado a 19 anos de prisão. A propina que Argello recebeu foi para que ele livrasse os executivos das empreiteiras de participarem das CPIs da Petrobras. 

Com a prisão de Argello, Moro enfatizou a importância de ter instituições que fiscalizem a corrupção e dê formas mais severas de punição. Sérgio Moro alertou que o povo poderia perecer perante a corrupção que assombra o país, e que a corrupção deve ser mostrada para o público tendo a punição como uma vitória para toda a nação.

Publicidade

"Os beneficiários e os pagadores de propinas possuem uma malévola preeminência na infâmia". Moro cita que um bom governo deve ter as leis perfeitamente aplicadas para evitar os males da corrupção. 

Condenações

Além de Gim Argello, outros executivos foram condenados. Léo Pinheiro da OAS foi condenado a 8 anos e 2 dois meses de reclusão. Ricardo Pessoa da UTC Engenharia, foi condenado a 10 anos e 6 meses, outro executivo ligado a mesma empresa, Walmir Pinheiro Santana, pegou 9 anos, 8 meses e 20 dias de prisão. #SérgioMoro