Na última quarta-feira (13), o juiz federal Sérgio Moro, que é responsável pelos processos da Operação #Lava Jato, recebeu a ação penal contra o ex-presidente da Câmara, deputado cassado e réu na Lava Jato, Eduardo Cunha (PMDB). Nesta segunda (17), após quatro dias, abriu um pedido de intimação de #Eduardo Cunha encaminhado à Justiça Federal do Rio de Janeiro. Um oficial de justiça do Rio de Janeiro será responsável pela entrega da intimação, e, então, o acusado terá 10 dias para apresentar a prévia de sua defesa ao juiz #Sergio Moro.

Eduardo Cunha é acusado de corrupção, recebimento de propina de um contrato de exploração de petróleo no Benin, país da região ocidental da África, e utilização de contas na Suíça para lavar o dinheiro e evasão fiscal.

Publicidade
Publicidade

O juiz federal Sergio Moro fez questão de lembrar no documento da denúncia que o Ministério Público Federal (MPF) retirou as acusações de crime eleitoral contra Eduardo Cunha pelo fato de que a Justiça Federal não poderia julgar crimes eleitorais, somente à Justiça Eleitoral tem esse poder.

Após Eduardo Cunha ter seu mandato cassado pela Câmara, no dia 12 de setembro, ficou sem o foro privilegiado, o qual perde o direito de ser julgado apenas pelo STF. Agora a ação contra o réu da Lava Jato será nos trâmites do Judiciário, igual a qualquer cidadão comum, passando por todas as instâncias até a sua possível condenação.

O processo de cassação contra Eduardo Cunha tramitou no Conselho de Ética, sendo acusado de mentir durante seu depoimento a CPI da Petrobras. Seu processo é o mais longo da história da Câmara.

Publicidade

Corre uma ação contra Eduardo Cunha na 6º Vara Civil, na Justiça Federal do Paraná, em que responde por uma ação civil de improbidade administrativa na qual o Ministério Público Federal (MPF) afirma que ele foi quem mais se beneficiou do esquema de corrupção na Diretoria Internacional da Petrobras. Foi pedido para que ele pagasse R$ 270,507 milhões em multa.

A mulher de Cunha, Claúdia Cruz, teve favorecimento por meio de contas na Suíça utilizada para receber parte do dinheiro de propina, cerca de US$ 1,5 milhão, com isso ela está respondendo por lavagem de dinheiro e evasão de dividas na Justiça Federal do Paraná.