Aos poucos, #Fernando Henrique Cardoso volta a ganhar representatividade dentro do governo do país. De aproximação raríssima, para não dizer nula, dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, o experiente líder do PSDB se reuniu nesta quarta-feira com Michel Temer, atual presidente da República, para um almoço no Palácio do Jaburu, em Brasília.

Além de FHC, participaram do encontro o ministro do Superior Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes e o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Lima. Em pauta, a aprovação da #pec 241, votada em primeiro turno na Câmara dos Deputados na segunda-feira, e outras medidas para a recuperação da economia brasileira.

Publicidade
Publicidade

Geddel, que é um dos principais interlocutores de Temer, negou que o presidente tenha feito algum tipo de pedido para Fernando Henrique Cardoso. "Não, nem caberia algo assim, pois não foi um encontro administrativo", avisou Geddel. Temer, cada vez mais, tem se aproximado do PSDB para evitar que rusgas internas do partido possam atrapalhar o andamento de pautas importantes para o governo no Congresso Nacional.

"Foi uma conversa normal, de velhos amigos. Demonstrou-se um otimismo grande em função do resultado das eleições e da PEC 241, dos gastos públicos", comentou Gilmar Mendes, do STF.

Temer, por telefone, fez o convite da reunião-almoço a FHC na terça-feira, 11. O tucano prontamente aceitou. Na reunião, o ex-presidente disse que o mercado financeiro reagiu de forma positiva à proposta da PEC dos gastos públicos, que impõe um limite de gastos para os governos.

Publicidade

#Michel Temer