O presidente #Michel Temer parece gostar de jantares quando se trata de discutir o assunto da #PEC, visto que foi realizado um jantar no domingo (9) que antecedia o dia do primeiro turno das votações. Um dos objetivos daquele jantar foi que todos os deputados de base alidada chegassem com antecedência em Brasilia. 

Já o novo jantar que foi marcado com o presidente do Senado #Renan Calheiros, acontecerá na quarta-feira (26), com o objetivo de acelerar a votação, onde Michel mostra o interesse em que o processo seja concluído no máximo até dezembro.

No primeiro turno das votações da PEC na Câmara dos Deputados, foram obtidos 366 votos.

Publicidade
Publicidade

Temer e Renan conversaram neste domingo (23) a respeito do segundo turno das votações que acontecerá na terça-feira (25). Sua estimativa é de que o número de votos seja superior ao da votação anterior.

Temer acredita que a medida do limite de gastos públicos é fundamental para a reestruturação da economia, se tudo acontecer conforme o programado, no jantar de quarta será discutido o assunto. 

Outro assunto que será abordado além do da PEC dos gastos públicos, é o fato de as declarações do Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, onde ele foi favorável à operação da Polícia Federal, terem repercutido de forma negativa, deixando um clima tenso no senado.

A operação da Polícia Federal

Na sexta-feira (21) onde foi realizada uma operação da Polícia Federal, foram presos quatro policiais do senado de forma provisória, entre eles Pedro Ricardo Carvalho que é de confiança do presidente do senado Renan Calheiros.

Publicidade

Em nota, a PF diz: 

"Foram obtidas provas de que o grupo, liderado pelo diretor da Polícia do Senado, tinha a finalidade de criar embaraços às ações investigativas da Polícia Federal em face de senadores e ex-Senadores utilizando-se de equipamentos de inteligência".

A Câmara

A expectativa do presidente Michel Temer é de pelo menos 375 votos e, para isso, passou o domingo (23) telefonando para os deputados indecisos e para os que votaram contrariamente, tendo deixado também a agenda presidencial aberta nesta terça (25) para tratar somente do assunto da votação. Na terça-feira (25) também, na Câmara dos Deputados a aprovação da medida terá prioridade deixando-se a pauta livre.