Em um período dominado por escândalos políticos, pelo processo de impeachment da ex-presidente Dilma e um antipetismo declarado com forte apoio midiático, políticos de vários partidos aproveitam o momento para culpar o PT por todos os projetos e leis que eles são contrários. O #vereador eleito em #Americana pelo #PSDB, Marschelo Meche, fez uso dessa mesma jogada.

Não se sabe se foi puro oportunismo eleitoreiro ou ignorância do vereador recém-eleito, mas em uma postagem em sua página no Facebook, Marschelo Meche criticou a criação das cotas raciais e colocou tal medida como um projeto do PT. Ele classificou a lei das cotas como “palhaçada criada pelo governo petista”, o que está muito errado.

Publicidade
Publicidade

O fato é que a cota racial foi criada pelo governo Fernando Henrique Cardoso, também do PSDB, não do PT. A diferença é que nos governos petistas de Lula e Dilma, as cotas passaram a ter uma maior porcentagem. A ignorância do jovem vereador tucano demonstra um grande problema que estamos vendo nos partidos políticos hoje em dia: a falta de conhecimento em relação à história do próprio partido. Cabe aqui também uma crítica ao PSDB e aos outros partidos por não fazerem trabalho de base em seus militantes e permitir que qualquer um que consiga votos saia candidato.

Marschelo também se esquece – ou simplesmente ignora – que em 2014, quando foi pra votação a criação de cotas raciais para concursos públicos, o PSDB declarou apoio e votou a favor de tal projeto. Um dos votos favoráveis às cotas foi de Vanderlei Macris, político aliado de Marschelo em Americana que tem como filhos o deputado estadual Cauê Macris e o vereador Rafael Macris.

Publicidade

O vereador tem total direito de ser contrário às cotas, mas não tem direito de compartilhar desinformação. Em um momento que a população já duvida do papel da imprensa, um homem público emitir desinformação é um ato vergonhoso e inaceitável. Para a população de Americana/SP fica a lição: prestar mais atenção nos vereadores que elege, para não cair demagogia barata e populismo. Vale mais eleger um vereador que cria projetos para a cidade do que eleger um homem que prefere compartilhar desinformação em redes sociais para ganhar curtidas.