Nesta quarta-feira (26), uma menina calou o plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). A estudante Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, subiu na tribuna e discursou em nome do #Movimento Estudantil de ocupação das escolas contra a reforma do ensino médio e contra a PEC 241

Veja o vídeo:

A jovem começou seu discurso perguntando: “De quem é a escola ou a quem ela pertence?”. Uma pergunta retórica que aponta para a legitimidade do movimento de ocupação.

Ana Júlia criticou os que falam mal do movimento e não conhece suas motivações. Assim, ela fez um convite aos deputados a irem visitar as escolas ocupadas.

A jovem rebateu a tese de que os jovens que estão ocupando as escolas são massa de manobra, ou que foram doutrinados por partidos políticos.

Publicidade
Publicidade

Ela afirmou que o movimento de ocupação é apartidário, não tendo ajuda, nem auxilio, muito menos direção de partido político. Para a adolescente essa tese soa como um insulto aos que estão realmente preocupados com o futuro da #Educação no Brasil.

Muito emocionada e com uma voz estarrecida, ela afirmou que não é fácil, mas que eles ergueram a cabeça e foram à luta. “Nós sabemos pelo que lutamos. A nossa única bandeira é a educação”, afirmou a jovem.

E dentro dessa perspectiva, ela também abordou outros temas que são inerentes a pauta da educação, como o Escola Sem Partido. Em suas palavras: “a Escola Sem Partido nos insulta”. Ela afirma que esse projeto tenta suprimir o pensamento crítico nas escolas tentando evitar os discursos sobre racismo, homofobia e machismo. Assim, ela acrescentou dizendo: “a gente não vai abaixar a cabeça para isso”.

Publicidade

Sobre a morte de um adolescente que foi morto dentro de uma das escolas ocupada, a jovem disse que as mãos dos deputados estavam sujas do sague dele. Nesse momento houve uma tensão no plenário os deputados se manifestaram contra a fala da jovem. O presidente da Assembleia disse que ela não podia agredir os deputados, e ameaçou a interromper a sua fala.

Contudo, a jovem não se intimidou e repediu a afronta acrescentando que o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) diz que “é dever da sociedade, da família e do Estado garantir a segurança dos estudantes”. Sendo assim, os deputados, como representantes do Estado, também têm sua parcela de culpa.

A estudante secundarista terminou sua fala afirmando que eles não são vagabundos e que estão lutando por ideais. E salientou que o movimento de ocupação está demostrando uma verdadeira noção de #Política e cidadania.