As audiências realizadas nesta segunda-feira (21) serviram para elevar drasticamente a temperatura durante depoimentos de alta relevância para o aprofundamento das investigações sob o âmbito da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. A Lava-Jato, considerada a maior operação de combate à #Corrupção no Brasil, é conduzida em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, a partir das dependências da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná. Durante o depoimento de um dos principais delatores do mega esquema de corrupção que sangrou os cofres públicos da Petrobras, ex-senador petista Delcídio do Amaral, um princípio de confusão foi verificado durante a realização do depoimento.

Publicidade
Publicidade

Presença da defesa de Lula

O depoimento de Delcídio do Amaral foi acompanhado pela defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Assim que o ex-senador era questionado por representantes do Ministério Público, a defesa do ex-presidente "tumultuou" o ambiente, ao tentar interromper o trabalho dos procuradores. Após ríspida discussão entre procuradores do Ministério Público e a defesa de Lula, que interrompia os questionamentos do Ministério Público a todo momento que interrogava a testemunha, o juiz Sergio Moro teve que intervir e afirmou enfaticamente que a defesa estava "tumultuando" todo o processo. Ainda durante a "confusão", um dos advogados do ex-presidente se referiu à cidade de Curitiba, como "região agrícola do País". A defesa de Lula procurou levantar diversas questões de ordem contra os questionamentos do procurador Diogo Castor de Mattos.

Publicidade

O procurador questionava Delcídio sobre as indicações políticas para cargos em estatais durante o governo Lula, o que, segundo a defesa, não fazia parte do escopo do processo em Lula é réu, já que se trata de pagamentos de propinas em três contratos específicos da Petrobras com a empreiteira OAS. Com o clima "quente", após a quinta interrupção da defesa do ex-presidente Lula no decorrer de tão somente 22 minutos de audiência, o juiz Sérgio Moro se irritou e foi contundente: "A defesa vai levantar questão de ordem a cada dois minutos?Os doutores estão tumultuando a audiência", afirmou o magistrado. Moro ressaltou que as perguntas do MPF faziam parte de um contexto. Já o advogado de Lula José Roberto Batochio atacou o magistrado: "o senhor preside, mas não é o dono do processo". Sérgio Moro rebateu, afirmando que os questionamentos estavam dentro de um contexto e que o momento era do Ministério Público fazer os questionamentos e que a defesa não estava sendo cerceada em seu direito. No depoimento Delcídio envolveu o ex-presidente Lula: "o presidente não entrava nos detalhes, porém, tinha total conhecimento do que se passava na Petrobras, inclusive as diretorias e os partidos que indicavam os diretores", afirmou. O ex-senador concluiu: "Lula sabia como a roda rodava". #Lava Jato