O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) #gilmar mendes, questionou as falas do juiz federal Sérgio Moro sobre o foro privilegiado de parlamentares. O juiz responsável pelas operações da Lava Jato sugeriu que deveriam restringir o uso do foro privilegiado para os presidentes dos três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, fazendo com que os presidentes se tornem vulneráveis às investigações sem a proteção do foro. Atualmente, o foro privilegiado está presente em vinte e dois mil cargos públicos, envolvendo, desde o presidente da República, até membros do Ministério Público Federal.

Para Gilmar Mendes, a ideia de Moro é "simplista". Mendes diz que essa solução de Moro, aparentemente, é simples perto de um problema complexo, podendo se tornar uma decisão equivocada.

Publicidade
Publicidade

Moro diz que o STF não tem condições de cuidar dos vinte e dois mil cargos, o que transformaria o Supremo em uma corte criminal. Em contrapartida, Gilmar Mendes lembrou do caso do mensalão, no qual enfatiza que o processo caminhou de forma mais rápida pelo supremo do que no juizado de primeiro grau.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que a declaração de Moro é uma "opinião" como de muitas outras pessoas que relatam o tema, Maia não declara se ele é contra ou a favor da ideia do juiz federal.

Entrevista de Sérgio Moro

Além de falar sua opinião sobre o foro privilegiado, o juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, foi questionado sobre quando o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva irá para a cadeia. Moro foi enfático ao dizer que esse tipo de pergunta não é conveniente e que ele não pode responder sobre casos que estão no momento pendentes.

Publicidade

Moro irá julgar o caso de Lula que é réu investigado por crimes de corrupção ativa e passiva. 

Sérgio Moro também fez um declaração sobre uma possível candidatura, ele disse que jamais iria se candidatar a algum cargo político, avaliando que seu perfil profissional é outro, e que seu trabalho é bem diferente de um político.  #SérgioMoro #Câmara dos Deputados