Bancos da Suíça estão denunciando várias movimentações bancárias que consideram como suspeitas. As denúncias estão sendo encaminhadas para o Escritório de Combate à Lavagem de Dinheiro (MROS), na Suíça. A empreiteira #Odebrecht fez com que a Suíça denunciasse várias contas para o MROS, que é um órgão ligado a #Polícia Federal. Há algumas semanas alguns suíços estavam em Curitiba/PR em conversa com procuradores brasileiros, um trabalho investigativo estaria sendo feito em conjunto.

Para os suíços, grande parte do dinheiro encontrado em seus bancos foram usados para financiamento de campanhas eleitorais. Junto com os brasileiros, as investigações tendem a descobrir quem recebeu propina e mesclar as investigações, as delações premiadas serão uma forma de identificar os corruptos e analisar quais partidos participaram dos esquemas. 

A Petrobras já chamou atenção em investigações por parte dos suíços em 2014, agora é a vez da Odebrecht prestar esclarecimentos.

Publicidade
Publicidade

Conforme o andamento das delações premiadas, bancos suíços entraram em estado de alerta, observando e analisando os novos políticos e empresários que realizaram delações.

O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é um exemplo de como funciona a lei suíça. Ele foi denunciado ao MROS pelo seu próprio banco após suspeita de lavagem de dinheiro, pois uma lei exige que bancos deem declarações sobre seus clientes caso algo estranho seja notado.

Segundo informações, bancos suíços estão em estado de "pânico", pois há muitas suspeitas de #Corrupção. Após um ano da prisão de Marcelo Odebrecht, bancos do pequeno país europeu bloquearam mil contas bancárias que totalizaram um valor de US$ 800 milhões, divididos em 42 bancos.

A defesa de alguns brasileiros suspeitos entraram em contato com advogados suíços quando descobriram que o país estaria interessado nas delações premiadas.

Publicidade

O Ministério Público da Suíça não quer dar informações sobre acontecimentos relacionados aos bancos, assim como o MROS, as investigações estão sigilosas. O país europeu apenas disse que tem interesse em passar informações para o Brasil, auxiliando as investigações.