Na tarde dessa quarta-feira (9), o deputado federal do Rio de Janeiro, Jair Messias Bolsonaro, foi absolvido por 11 votos a 1 em um processo no Conselho de Ética que pedia a cassação de seu mandato por homenagear o coronel Carlos Brilhante Ustra, que foi um importante militar na repressão contra guerrilheiros contrários ao regime militar.

Durante a votação de abertura do processo que levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Roussef, o deputado elogiou a memória do coronel Ustra, que tinha falecido em 2015.

O relatório elaborado pelo deputado Odorico Monteiro (PROS-CE), que era favorável à cassação do mandato de #bolsonaro, foi derrotado.

Publicidade
Publicidade

O Conselho de Ética entendeu que ao homenagear a memória do coronel, Bolsonaro expressou sua liberdade de opinião #Política, o parlamentar é amparado pela inviolabilidade de opinião, como expressou o deputado Marcos Rogério do (DEM-RO).

Nas vésperas da votação do conselho, o deputado Bolsonaro se defendeu dizendo: "Sou capitão do Exército, conhecia e era amigo do coronel Ustra, sou amigo da viúva. O coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra recebeu a mais alta comenda do Exército, a medalha do Pacificador, é um herói brasileiro", disse o deputado.

O coronel Carlos Brilhante Ustra comandou entre 1970 e 1974 o DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informação) do segundo Exército do Estado de São Paulo, no auge dos confrontos entre as forças militares do governo e as guerrilhas armadas da extrema-esquerda.

Publicidade

De acordo com um relatório da Comissão Nacional da Verdade, no período da gestão de Ustra no DOI-CODI, 45 prisioneiros teriam sido mortos ou desaparecido em confrontos com as forças do Exército.

Votação

Na votação do conselho, votaram a favor de Bolsonaro os deputados: André Fufuca (PP-MA), Marcos Rogério (DEM-RO), Capitão Augusto (PR-SP), Ricardo Izar (PP-SP), João Carlos Bacelar (PR-BA), Sandro Alex (PSD-PR), Laerte Bessa (PR-DF), Nelson Meurer (PP-PR), Covati Filho (PP-RS), Vinicius Carvalho (PRB-SP) e Júlio Delgado (PSB-MG). Contra, apenas o relator do processo, o deputado Odorico Monteiro (PROS-CE). #Brasil