Mais uma grande perda na equipe ministerial do #Governo. Após as acusações feitas pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, que o acusou de ter cometido tráfico de influência, Geddel Vieira de Lima (Secretaria de Governo) está fora. Ele entregou seu cargo na manhã dessa sexta-feira (25), através de uma carta de demissão. A situação em que se envolveu já era grave e se agravou ainda mais, após o depoimento de Calero a Polícia Federal, nessa quinta-feira (24). O governo de #Michel Temer agora conta suas perdas, Geddel é o sexto integrante do primeiro escalão do governo que sai envolvido em escândalo. Lembrando que o governo peemedebista está há apenas seis meses no poder.

Publicidade
Publicidade

Segundo informações do jornal “O Globo”, Geddel não foi pedir sua demissão pessoalmente ao presidente Temer. Ele se demitiu via e-mail, e posteriormente, divulgando na mídia. Na carta, Geddel (amigo de Temer há duas décadas) se despede do presidente se referindo a ele como “querido” e “fraterno”.

As justificativas apresentadas pelo ex-ministro para sair de seu cargo foram o “sofrimento” de seus familiares com a torrente de críticas que vem recebendo da oposição, que quer, a todo custo, uma explicação sobre seu envolvimento na obra embargada pelo Iphan, em Salvador, a qual originou toda a turbulência no governo.

“Avolumaram-se as críticas sobre mim. Em Salvador vejo o sofrimento de minha família. Quem me conhece sabe ser esse o limite da dor que suporto. É chegada a hora de sair”.

Publicidade

Ao final da carta, Geddel pede sinceras desculpas a Temer e tenta minimizar o ocorrido e diz que o “Brasil é maior que tudo isso”. Ele também escreveu que torce “ardorosamente” pelo sucesso do governo Michel Temer.

Turbulência no governo

Mesmo com a tentativa de “apaziguar” a denúncia feita por Marcelo Calero, dizendo, na última terça-feira, que o assunto se tratava apenas de uma conversa informal e sem importância e que o assunto estava encerrado. Temer perdeu um grande articulador político, agora rapidamente terá que procurar um substituto para ocupar a pasta da Secretaria de Governo.

Geddel agora terá que se preocupar em defender da acusação, pois a tendência é que a PGR (Procuradoria-Geral da República) abra um inquérito para investigar o caso. #Crise-de-governo