O deputado federal #Paulo Maluf (PP-SP) é protagonista de um processo que já está no Supremo Tribunal Federal (#STF) há 15 anos. O processo é tido como um caso secreto, pois nos trâmites não aparecem declaradamente o nome de Maluf, mas apenas as suas iniciais. O deputado se tornou réu em segredo no Supremo. Há 15 anos o STF não deu uma decisão final para o caso, que no ano de 2000, gerou grande repercussão no estado de São Paulo.

Caso alguém tenha interesse em procurar inquéritos contra Maluf, apenas encontrará dois processos; o primeiro por calúnia em campanha eleitoral e o outro por crime eleitoral. No total, existem 84 processos que estão sob segredo de Justiça no STF, 6 ações são de Paulo Maluf.

Publicidade
Publicidade

Caso secreto

O caso de mais de 15 anos é sobre movimentações milionárias em paraísos fiscais. Na época, o procurador-geral de Genebra, Bernard Bertossa falou sobre as investigações, Maluf teria usado um dinheiro de uma conta na Suíça para transferi-lo até uma conta em Jersey, no canal da Mancha. 

Como deputado federal, o foro privilegiado ajudou Maluf a "abafar" o caso. No ano de 2002, antes de ser eleito, o Ministério Público Federal (MPF) quebrou o sigilo bancário de Maluf. Em 2006, o caso foi para o Supremo, sendo que em 2009 o inquérito se tornou segredo na Justiça. 

Já em 2011, o STF divulgou uma nota mostrando que o caso se tratava de lavagem de dinheiro por meio da construção da avenida Jornalista Roberto Marinho localizada em São Paulo. O ministro Ricardo Lewandowski relator do inquérito, disse que a atitude de Maluf resultou em um prejuízo de R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

Publicidade

Esse dinheiro teria passado por contas na Suíça, Ilha Jersey, Inglaterra e Nova York. 

Defesa

Ricardo Tosto, advogado de Maluf, disse que seu cliente está apenas exercendo seu papel de defesa, ele avaliou que casos complexos como este demoram muito mais tempo para serem analisados. Tosto também disse que o STF está julgando processos mais importantes e essas críticas ao Supremo sobre a demora para análise são equivocadas. Tosto disse que as pessoas cobram que casos emblemáticos sejam logo julgados, mas na realidade não é assim que acontece.  #Corrupção