Nesta terça-feira (8), acontecerá as eleições presidenciais dos #Estados Unidos, estas que influenciam a todo o mundo. Contudo, sempre que pensamos ou falamos sobre os candidatos à Casa Branca, acabamos por decidir entre Donald Trump, do Partido Republicano, ou Hillary Clinton, do Partido Democrata.

O que poucas pessoas sabem é que este ano os eleitores americanos poderão escolher, de acordo com a Comissão Eleitoral Federal, entre 1800 candidatos. Isso mesmo! No entanto, aparentemente, muito destes não fizeram campanha eleitoral. Além de Trump e Clinton, outros dois nomes aparecem nas intenções de votos - Gary Johnson, do Partido Libertário, e Jill Stein, do Partido Verde.

Publicidade
Publicidade

Gary Johnson:

Nascido em 1º de janeiro de 1953, Gary Earl Johnson, de 63 anos, é empresário e político. Foi governador do estado do Novo México entre 1995 e 2003, onde ganhou o apelido de "Gorvernor Veto", por vetar mais de 750 leis durante seus dois mandatos e, ainda, ficou conhecido pelo conservadorismo em termos fiscais, já que cortou os impostos por 14 vezes, deixando o Novo México como um dos estados com as finanças mais equilibradas dos Estados Unidos.

Em 2012, ele concorreu à presidência como candidato republicano, inicialmente, e, mais tarde, assumindo-se como libertário. Teve 1,2 milhão de votos e ficou em terceiro lugar. Entre suas propostas está a legalização da maconha, sendo contra a pena de morte. Seu vice é William Weld, que foi governador do estado de Massachusetts entre 1991 e 1997.

Publicidade

Jill Stein:

Nascida em 14 de maio de 1950, Jill Ellen Sein, de 66 anos, foi vereadora da cidade de Lexington, no estado do Kentucky. Concorreu a deputada e duas vezes como governadora do estado de Massachusetts. Concorreu a presidência em 2012.

Stein é médica, tornando-se ativista nos anos 90. Seu vice é o também ativista Ajamu Baraka. Se for eleita, promete cancelar as dívidas de estudantes universitários e expandir medidas de proteção ao meio ambiente, assim como os direitos LGBT e a igualdade salarial de gêneros. #Política #Eleições EUA 2016