O Ministério da Cultura do governo Dilma Rousseff abrangeu fortemente a classe artística do Brasil. Na mira do Ministério da Cultura, a cantora Cláudia Leitte foi notificada a devolver o valor de R$ 1,274 milhão que tinha recebido via #Lei Rouanet. Em 2013, a cantora recebeu esse valor para a realização de uma turnê. Ocorreram 12 shows da artista, mas, segundo o Ministério da Cultura, os shows aconteceram com irregularidades.

A denúncia que mira a cantora é que ela não teria prestado conta dos 8,75% ingressos que foram distribuídos. Nas cidades de Picos (PI) e Ponta Porã (MS), o valor dos ingressos foi maior que o combinado pela lei e no show em Cuiabá (MT), a cantora não justificou como foi utilizado o dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Defesa de Cláudia Leitte

Advogados da cantora disseram que, em muitas vezes, o valor dos ingressos foi abaixo do esperado, pois atingiu cidades com menores condições financeiras, e enfatizam que a realização dessa turnê trouxe oportunidade para as pessoas terem acesso à cultura. Os advogados também citam que a proposta do governo de proibir a cantora de receber recursos pela Lei Rouanet durante três anos, é muito injusta, pois os órgãos públicos não tiveram nenhum prejuízo.

CPI

Os artistas são os maiores beneficiados pela Lei Rouanet. Foi aberta uma #CPI para fiscalizar e investigar artistas e contratos. Muitas pessoas poderiam ter se favorecido de dinheiro público ilegal. Nesta última semana, os trâmites na CPI ainda não apontaram nenhum artista para prestar depoimento, o que causou uma revolta ao deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), ele avaliou que, se os artistas não forem convocados para depor, os deputados estariam apenas a "brincar de fazer CPI”.

O ator José de Abreu, lembrado como o "Zé do Cuspe", é um dos artistas que Sóstenes quer na CPI.

Publicidade

O ator é acusado de não ter prestado conta do valor de R$ 299 mil que recebeu via lei. José de Abreu já tinha ironizado as convocações para depor pedindo uma passagem para a cidade de Paris, mas,em seguida, tentou se reconciliar com os deputados.

Não é só o deputado Sóstenes que está revoltado com a "falha" nas convocações da CPI, outros deputados disseram que, se até o dia 21 de novembro não encontrarem uma solução, vão "sair da CPI atirando". #Claudia Leitte