O empreiteiro Marcelo Odebrecht, preso em Curitiba e dono de uma das maiores empreiteiras do País, decidiu arrolar a ex-presidente da República #Dilma Rousseff, como sua testemunha de defesa. A ex-mandatária terá que depor em uma ação penal que Marcelo Odebrecht responde no âmbito da Operação Lava-Jato. Anteriormente, a ex-presidente Dilma havia sido arrolada como testemunha e poderia responder por escrito, já que possuía prerrogativa de foro privilegiado, mesmo que afastada do cargo de presidente da República, dado que estava em curso um processo de impeachment. Entretanto, naquele período, Dilma não chegou a testemunha no processo. Dessa vez, sem estar no comando do País, deverá depor ao vivo ao juiz Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Sérgio Moro é o titular em primeira instância da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná. O juiz paranaense gerencia a maior operação de combate à #Corrupção já deflagrada no Brasil.

Listagem de testemunhas

O empreiteiro Marcelo Odebrecht é réu juntamente ao ex-ministro Antonio Palocci. Odebrecht listou outras 24 testemunhas para que possam depor em sua defesa. Além da ex-presidente Dilma Rousseff, Marcelo também listou seu próprio pai como testemunha de defesa, Emílio Odebrecht. Também poderão fazer parte do escopo de testemunhas, os ex-presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli e Graça Foster. Também poderão testemunhar como defesa de Odebrecht, os ex-ministros petistas Guido Mantega e Jacques Wagner. Não somente políticos, poderão ser arrolados como testemunhas, mas também empreiteiros, dentre os quais, Léo Pinheiro, da empreiteira OAS e Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC.

Publicidade

Na ação penal, Marcelo Odebrecht, Antonio Palocci e outros treze réus, foram denunciados pela prática de crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. O processo se refere à obtenção, pela empreiteira Odebrecht, de contratos de "afretamento de sondas" com a estatal Petrobras. Na denúncia formulada, o Ministério Público Federal, solicita a devolução da quantia de meio bilhão de reais à Petrobras. #Lava Jato