O ex-presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha, que conduziu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff ao mesmo tempo em que estava sendo acusado de corrupção, foi preso há duas semanas em decorrência de várias acusações de corrupção envolvendo seu nome.

A especulação nos bastidores políticos é enorme e as revelações de Cunha seriam capazes de derrubar centenas de congressistas, se transformando em testemunha chave, o que levou a mídia a rotulá-lo como um "homem-bomba", carregado de segredos que poderiam incriminar legiões de legisladores.

Os investigadores e procuradores dizem que preferem ver Cunha, acusado de receber pelo menos US$ 6,5 milhões em subornos, preso pelo maior tempo possível, se ele for considerado culpado. Eles só querem fazer um acordo de barganha se ele realmente oferecer uma prova contra os líderes do mais alto nível ou um número extraordinário de políticos.

Publicidade
Publicidade

Eduardo Cunha é um dos alvos de maior destaque da "Operação #Lava Jato", uma investigação de longo alcance que gira em torno de subornos e propinas políticas de contratos com a companhia de petróleo estatal Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras). Até agora, cerca de 200 pessoas foram acusadas no caso.

Michel Temer era o líder do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) que durante uma década foi o principal membro de apoio ao Partido dos Trabalhadores (PT) e desafiou os desejos de sua própria coalizão #Política para concorrer e ganhar a presidência da Câmara dos Deputados.

Apenas seis meses depois, ele oficialmente rompeu com o governo do PT, da ex-presidente Dilma Rousseff, dizendo que ela estava usando a investigação da Petrobras como uma ferramenta de "perseguição política" contra ele.

Publicidade

Eduardo Cunha tinha o poder de permitir que o processo de impeachment contra Rousseff iniciasse sob as acusações ​​de que ela teria violado as leis orçamentais seu governo. 

Ele fez exatamente isso no início de dezembro de 2015, poucas horas depois de um deputado do PT decidir votar para que Cunha enfrentasse uma investigação interna, antes do julgamento da comissão de ética da Casa. Em maio deste ano, Rousseff foi cassada e seu Vice-Presidente, Michel Temer, foi instalado como seu sucessor.