Se o primeiro turno não foi bom para a esquerda, o segundo foi péssimo para aliados da esquerda ou que há muito tempo foram políticos tradicionais em algumas cidades. Esse é o caso do ex-presidente da república, José Sarney e do presidente do Senado, #Renan Calheiros.

A derrota da família Sarney

No Maranhão, reduto de Sarney e sua família, houve a reeleição de um dos principais adversários políticos de Sarney e que é considerado inimigo de sua família na política: Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Apesar da vitória de Edivaldo, o segundo colocado da eleição não era apoiado pela família Sarney, mas isso, por um simples motivo; Eduardo Braide (PMN) recusou receber apoio do ex-presidente ou de seus familiares.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, parte significativa de São Luís, rejeita o tradicionalismo da política dos Sarney.

A derrota dos ‘Renan’

O governador de Alagoas e filho de Renan Calheiros, Renan Filho, apoiou o candidato Cícero Almeida (PMDB). Pai e filho apoiaram o candidato, mas este foi derrotado por Rui Pimenta (PSDB). A derrota foi mais para os políticos, do que partidária, uma vez que PSDB e PMDB são aliados em inúmeras prefeituras espalhadas pelo Brasil.

Com a derrota de Cícero Almeida, que já governou Maceió por duas vezes, o filho de Renan Calheiros terá dificuldades em seu pleito político de 2018, uma vez que o ‘protesto’ contra o candidato pode se repetir e Pimenta pode apoiar um candidato tucano que venha a se destacar. Além disso, cientistas políticos acreditam que o próprio Pimenta pode se lançar candidato a governador e bater de frente com Renan Filho.

Publicidade

Esse embate pode se tornar mais frágil para o atual governador do estado, devido aos problemas de seu pai com a Lava Jato.

Renan Calheiros, aliás, ainda que não seja denunciado e condenado em um dos nove inquéritos que faz parte, pode enfrentar muita dificuldade para conseguir se reeleger senador em 2018, pois perdeu importantes aliados políticos que o ajudaram nas últimas #Eleições, e mesmo se aproximando de Temer, o peemedebista pouco poderá fazer para ajudá-lo. #Eleições 2016