A última terça-feira, dia 29, sem dúvida alguma, se tornou um dia histórico e será lembrada com muita tristeza futuramente, por causa das dezenas de mortes registradas na queda do avião na Colômbia. O Brasil inteiro parou para acompanhar as notícias que não paravam de chegar. Torcedores de todos os times se uniram em uma só torcida, no desejo de que muitos se salvassem, mas infelizmente, foram poucos os sobreviventes.

Acontece que, enquanto o Brasil chorava pelos jogadores da Chapecoense e demais vítimas do acidente aéreo, o plenário do Senado Federal se reuniu e votou em primeiro turno a PEC - Proposta de Emenda à Constituição, autorizando que os gastos públicos sejam limitados.

Publicidade
Publicidade

Ao todo foram 61 senadores votando a favor e somente 14 votaram contra a proposta. Agora a proposta será encaminhada para uma nova votação.

Quando a sessão começou, os senadores prestaram uma homenagem às vítimas do acidente na Colômbia, fazendo 1 minuto de silêncio, enquanto muitas pessoas protestavam do lado de fora do plenário e faziam postagens nas redes sociais alertando ao maior número possível de brasileiros, para que ficassem atentos ao que estava acontecendo em Brasília.

O senador Eunício Oliveira, do PMDB-CE, condenou as críticas em relação à proposta, pois os senadores que votaram contra alegaram que serão cortadas verbas para a saúde e educação, duas áreas no Brasil que estão em situação complicada e precisam de novos investimentos.

O senador garantiu que o novo regime fiscal irá aumentar em 13,7% o piso para novos investimentos na saúde, já em 2017 e em relação à educação, disse que está garantida a manutenção do piso e que todos poderiam ficar tranquilos quanto a isso, pois no próximo ano será mantido o piso previsto no artigo 212 da Constituição brasileira.

Publicidade

Gleisi Hoffmann, senadora do PT, protestou e disse que se não vai mexer nos recursos da saúde e educação, então não faz sentido modificar a Constituição.

No Twitter, são muitas as críticas em relação a ação dos senadores, que fizeram uma votação tão importante em um momento em que o país inteiro lamentava a morte da delegação Chapecoense.

#Polêmica #Casos de polícia #Protestos no Brasil