O Conselho de Ética da #Câmara dos Deputados ouviu nesta quinta-feira (17) o depoimento de testemunhas da cusparada envolvendo o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Bolsonaro (PSC-RJ) no dia da sessão de votação do impeachment da presidente Dilma naquela casa legislativa.

Um dos ouvidos pelos deputado foi o ex-corregedor da Câmara, deputado Carlos Manato (DEM-ES). O parlamentar do DEM defendeu um afastamento temporário contra Jean Wyllys pela cusparada contra Bolsonaro. O ex-corregedor relativizou dizendo que a perda de mandato é algo muito grave, que não cabe nessa situação, mas que houve sim quebra de decoro, e que o deputado do PSOL precisa ser punido.

Publicidade
Publicidade

Como testemunha de defesa falou outro deputado do PSOL, Glauber Braga (RJ). Segundo a fala do parlamentar, a cusparada não foi um ato premeditado por parte de Jean, e sim uma reação as constantes provocações por parte de Bolsonaro contra Wyllys. Jean se defendeu na época da cusparada que foi provocado durante seu voto e enquanto saia do microfone com ofensas diretas de Jair Bolsonaro. #Dentro da política