O acordo entre partidos para anistiar o caixa dois recebe o apoio de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Com a delação da Odebrecht pronta para disparar contra os partidos, a aprovação da anistia se torna o único meio de fugir da condenação das principais legendas. Aprovada a proposta para anistiar o caixa dois, a Lava Jato sofrerá um grande golpe do Poder legislativo.

Ataques à Lava Jato

A maneira pelo qual o legislativo ataca a Lava Jato é bastante parecida com a que parlamentares italianos investiram contra a Operação Mãos Limpas. Tal operação se mostrou tão ampla quanto a Lava Jato, entretanto, o Parlamento daquele país aprovou leis que abrandaram as investigações que acabaram por apresentar um certo êxito.

Publicidade
Publicidade

Além da anistia, os parlamentares também querem regras mais rígidas como punição para juízes e procuradores, notadamente para atingir os responsáveis por instaurar as investigações que culminaram com a operação que denunciou a #Corrupção generalizada nas estatais brasileiras liderada por parlamentares corruptos.

Além da anistia do caixa dois

Dentro da mesma proposta, desejam ainda uma anistia penal também aos empresários nos acordos de leniência sem a participação do Ministério Público Federal. Na última quarta-feira, líderes dos partidos discutiram a proposta da anistia no gabinete de #Rodrigo Maia.

A intenção é implantá-la conjuntamente à tipificação do crime de caixa dois eleitoral, o qual faz parte do pacote das dez medidas encabeçado por Deltan Dallagnol e enviado ao Congresso Nacional.

Publicidade

Aprovação do governo

Aprovados pelo governo, os parlamentares responsáveis já consideram com certa a aprovação da emenda. Com a aprovação da anistia, o caixa dois praticado, anteriormente, não poderá ser punido ou enquadrado em outros crimes. Atualmente, o caixa dois é enquadrado como crime de falsidade ideológica, pois não possui típificação, ou seja, o Código Penal não prevê como crime a prática do caixa dois.

Poucos são os parlamentares que se colocaram contra a citada emenda, razão pela qual a maioria das siglas possuem certeza da aprovação. Entre os que se posicionaram contrariamente estão os deputados da Rede de Sustentabilidade e do PSOL. A pressão da sociedade tem freado um pouco os arroubos dos parlamentares. Porém na contramão, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), já anunciou nesta semana que não aprovará as dez medidas. #lei da anistia