O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso negou, nesta quinta-feira (03), que será candidato à presidência da República em 2018. Através de uma rede social, #FHC esclareceu que "jamais cogitou a hipótese e ninguém o consultou sobre o tema." Ele revela, ainda, que sua posição sobre o atual momento do país já é conhecida. Diz que, no momento, o melhor para o país é que o governo atual continue com as reformas necessárias e que, em 2018, o país possa escolher um líder à sua altura.

Aliado fez assunto surgir

O assunto sobre uma possível candidatura de Fernando Henrique Cardoso surgiu logo nas primeiras horas desta quinta, após a publicação de uma coluna de Xico Graziano, integrante do PSDB e aliado de FHC.

Publicidade
Publicidade

No texto, Xico defende a candidatura do ex-presidente em 2018, dizendo que o país necessita de sua decência. Ainda na coluna, Xico descreve que não fala pelo presidente, mas que externa uma vontade sua em vê-lo novamente como líder máximo do país.

Quadro para 2018

Uma possível candidatura de FHC embolaria ainda mais o quadro político para as eleições presidenciais de 2018. O cenário, que já conta com nomes quase certos como Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSC), pode ser integrado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além disso, existe uma forte disputa dentro do PSDB pelo direito de representar o partido na corrida presidencial. Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra brigam pela vaga tucana ao planalto em 2018.

Abaixo, texto completo publicado por FHC em sua rede social.

"A propósito de comentários sobre uma eventual candidatura à Presidência esclareço, do exterior, onde me encontro, que jamais cogitei dessa hipótese nem ninguém me consultou sobre o tema. Minha posição é conhecida: nas circunstâncias, o melhor para o Brasil é que o atual governo leve avante as reformas necessárias e que em 2018 possamos escolher líderes à altura dos desafios do País. Precisamos superar a crise financeira para criar empregos e para que o povo viva em uma sociedade próspera e decente." #presidencia #Política