A filha do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, Clarissa Garotinho, está tendo uma vida infernal, após a prisão de seu pai. Primeiro ela passou por momentos conturbados de grande desespero ao ver seu pai gritando na maca, relutando contra os policiais, que queriam levá-lo para o presídio de Bangu. Ela chorou muito e juntamente com sua mãe pedia clemência aos agentes. Agora, Clarissa pode ser expulsa de seu partido. O que está motivando essa expulsão é ela ter votado contra a PEC 241, que limita o teto de gastos públicos. Todos os deputados do partido PR votaram a favor da PEC, exceto ela. O Partido da República não gostou da atitude dela e disse que, nesta segunda-feira (21), irá definir se expulsa ela ou não.

Publicidade
Publicidade

Outro ponto negativo na vida de Clarissa é o fato dela perder a chance de ser secretária do novo prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB). A assessoria do prefeito disse que por mais que Crivella tenha elogiado Clarissa, ele não confirmou o cargo. Hoje, o novo prefeito está deixando essa situação em aberto.

Filha de Cunha

A filha do ex-presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha, também está vivendo momentos de tensão. Ela pediu afastamento da faculdade IBMEC (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), através de uma licença médica. Segundo informações, Bárbara Cunha está sofrendo bullying devido a prisão do seu pai e os casos de #Corrupção envolvendo sua família.

A mulher de Cunha, Cláudia Cruz, que também está respondendo pela Operação Lava Jato, é outra que está com os nervos à flor da pele.

Publicidade

Ela foi ouvido por Moro, no último dia 16, e disse que desconhecia conta em seu nome no exterior. Ela é acusada de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. As investigações da Lava Jato dizem que Cláudia Cruz mantinha conta secreta na Suíça e que recebia propina da Petrobrás, vinda de uma exploração de petróleo na África.

Prisão

Eduardo Cunha está preso desde 19 de outubro, em Curitiba. O juiz federal Sérgio Moro está cuidando do processo feito pela Procuradoria da República. De acordo com a Procuradoria, Cunha representa ao país um grande perigo, um grande risco para a ordem pública. #Rio de Janeiro