O fundador do Partido Social Cristão (PSC), Vitor Abdala Nósseis, entrou com uma petição ao juiz federal Sérgio Moro para que investigue um organização criminosa envolvendo o próprio candidato da legenda que concorreu à Presidência em 2014, o pastor Everaldo e o secretário-geral do PSC, Antônio Oliboni.

Nósseis pediu para que os investigadores analisem práticas de lavagem de capitais e outras irregularidades no "mundo' da corrupção. O fundador do PSC diz possuir provas contra seus correligionários e anexou, na petição a Moro, documentos de doações que foram registradas na Justiça Eleitoral ao PSC.

Um dos pontos da investigação são as doações oficiais para a sigla que foram transformadas em lavagem de dinheiro, proporcionando um grande esquema corrupto.

Publicidade
Publicidade

É a primeira vez que um fundador de partido procura a #Lava Jato e "entrega" seus políticos, após saber de graves problemas e irregularidades com propina da Petrobrás. "Eles receberam enormes quantias de propina vinda de dinheiro sujo, disse Nósseis.

Denúncia

Vitor Nósseis explicou na petição todo o processo de #Corrupção. Segundo o fundador, os repasses eram a todo momento e os acusados estavam protegidos por parlamentares e executivos.

Essa não é a primeira denúncia feita por Nósseis, Em julho, do ano passado, ele foi demitido do cargo de presidente do partido e disse que a convenção ocorrida pela sua destituição foi uma grande fraude.

Análise

Os fatos serão analisados pelos procuradores da Operação Lava Jato. De acordo com os investigadores, os acusados Everaldo Dias Pereira e Antônio Oliboni, não fizeram parte das empresas investigadas na Operação.

Publicidade

Em uma análise prévia, os procuradores ainda precisam fazer uma conexão com as informações da denúncia para que as investigações sejam fundamentadas.

O Partido Social Cristão ainda não deu o seu posicionamento sobre a denúncia. 

Ainda conforme nota dos procuradores, o requerente da petição não atende os "requisitos mínimos" para que todas as acusações sejam cadastradas nos autos dos processos. Moro também analisará a petição. #SérgioMoro