O programa do Governo Federal, ‘Mais Médicos’ objetiva investir mais nos profissionais brasileiros. Nessa sexta-feira, 11, foi aberto um edital para o preenchimento de mil vagas para médicos nacionais.

O programa era integrado, majoritariamente, por médicos cubanos, em um acordo internacional feito pelo #Governo anterior. Ao contrário do que foi propagado na internet, a contratação de cubanos não foi para gastar menos, mas para atender a demanda de pacientes no setor público de #Saúde, uma vez que no Brasil estavam faltando profissionais. O programa, entretanto, teve muitas falhas e vários médicos desistiram de integrá-lo, alegando inúmeras irregularidades.

Publicidade
Publicidade

Muitos também diziam que o salário dos cubanos seria inferior ao salário dos brasileiros no mesmo programa.

Com a medida do governo federal, autorizando o ministério da saúde a fazer as contratações, os cubanos não serão demitidos, mas com o tempo esse número será reduzido. Atualmente, cerca de 11,4 mil cubanos trabalham como médicos no Brasil. Dentro de três anos, esse número deve ser reduzido para 7,4 mil. A permanência de cubanos no programa garante a continuidade do mesmo, sendo essencial. Entretanto, todos os anos há número elevado de desistência dos inscritos.

As inscrições para os médicos interessados (inclusive os que se formaram a pouco tempo), é do dia 20 de novembro até 23 de dezembro. Caso sobre vagas, estas serão oferecidas para médicos brasileiros que moram ou trabalham no exterior.

Publicidade

O governo prevê um novo edital de contratação a cada três meses, a fim de, aos poucos, ir cumprindo com o atendimento a elevada demanda de todo o país. A maioria das vagas são para capitais ou municípios com mais de 250 mil habitantes. O programa ‘Mais Médicos’ atende cerca de 63 milhões de pessoas em todo o Brasil.

Investimento em saúde

O presidente, Michel Temer, deixou claro, essa semana, que não pretende realizar cortes nos recursos da saúde, conforme políticos da oposição têm propagado nas redes sociais. Temer disse que a previsão de repasses para a educação e a saúde em 2017, é superior ao valor que foi investido em 2016.

Além disso, salientou que o governo federal investirá cerca de R$2 bilhões para retomar 1600 obras públicas, que estão paralisadas desde o governo da ex-presidente Dilma. Os empreendimentos devem gerar 45 mil empregos no setor. #Michel Temer