Nesta quarta-feira (09), o Deputado #Jair Bolsonaro (PSC-RJ), participou de uma sessão no Conselho de Ética da Câmara, na qual era testemunha do processo aberto contra o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), por quebra de decoro parlamentar, por ter cuspido em Jair Bolsonaro em uma das sessões do impeachment da então presidente, Dilma Rousseff (PT). Bolsonaro negou tê-lo provocado e disse também que, caso provassem, ele renunciaria ao cargo.

Durante o depoimento feito ao conselho, o parlamentar afirmou que será candidato à presidência em 2018, gostem ou não. Também disse que sofre uma perseguição política, e que está no caderno de tese do PT, que diz “vamos cassar o mandato do deputado Jair Bolsonaro”.

Publicidade
Publicidade

O deputado Capitão Augusto (PR-SP) se pronunciou em defesa de Jair Bolsonaro, afirmando que a mídia teme que o parlamentar se candidate à presidência em 2018, pois ele é um dos únicos políticos que é ovacionado e querido por onde vai, e que a imprensa tem uma certa proteção a favor de #Jean Wyllys, contra o qual não teve editoriais criticando o ato contra Jair.

Bolsonaro fez um discurso que causou revolta no Brasil inteiro por parte de ativistas e da esquerda política, homenageou Carlos Alberto Brilhante Ustra, afirmando que este é “o pavor de Dilma Rousseff” e também afirmando que o nome do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entraria para a história pela forma que conduziu o processo de impeachment.

Jair Bolsonaro réu

O deputado é réu por incitação ao estupro e injúria, em um caso envolvendo ele e a deputada Maria do Rosário (PT).

Publicidade

Ele afirmou também que está pedindo clemência ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja julgado logo, pois, mesmo que seja condenado, não enquadraria no Ficha Limpa, pois é um crime de pequeno potencial e se o julgamento for se prolongando, será prejudicial para sua campanha em 2018.

Vitória de Donald Trump nos EUA

Também, durante essa quarta-feira, o deputado usou sua página no Facebook para parabenizar Trump pela vitória e alfinetou, dizendo que o Brasil irá no mesmo caminho em 2018. #Presidência 2018