Após o presidente do Senado, #Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciar, na última quinta-feira (10), medidas para conter o abuso de autoridade de #Juízes Federais e se referir ao alto salário dos magistrados, a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) criticou e rebateu a nota de Renan, afirmando que isso não passa uma "provocação" do #Senado Federal.

A Ajure avalia que só agora o Senado está tentando "ferir" o magistrado com ações apresentando "super salários" e abuso de autoridade. Aassociação diz que é "estranha" essa atitude, já que o juízes federais estão mostrando competência em investigações de casos que envolvem corrupção no governo.

Publicidade
Publicidade

Afirmações como abuso de poder e salários acima do teto constitucional é para o Judiciário uma forma de tentar "incomodar" os juízes. A Afure classificou como uma "intimidação da Magistratura".

A Associação dos juízes ainda avalia que está havendo uma espécie de "retaliação" a respeito das operações que estão ocorrendo no Brasil e cita que em 2011 o Tribunal Regional Federal da 1° Região recebeu um recurso da diretoria do Senado Federal pedindo que o teto constitucional não fosse visto pelos servidores da Casa Legislativa. Com isso, a Afure enfatiza que os servidores públicos tem o direito de observar de igual ou de melhor forma que um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) já que a causa foi ganha.

Ameaça à Lava Jato

Parlamentares afirmam que a lei de abuso de autoridade é uma ameça às investigações da operação Lava Jato.

Publicidade

Juízes e políticos não concordaram com a proposta que foi desengavetada do ano de 2009. Em julho desde ano, Renan Calheiros trouxe à tona o mesmo tema, mas ficou esquecido. Próximo ao final do ano, a mesma proposta está de volta, Renan quer um debate com procuradores da República e juízes federais, entre eles, Deltan Dallagnol e Sérgio Moro, conhecidos pela atuação nas operações da Lava Jato.

Calheiros quer que até o fim desde ano o projeto seja votado e que as votações se iniciem após o debate com os convidados. O presidente do Senado foi enfático ao falar que chamará representantes da Polícia Federal, Ministério Público Federal e da Afure, dizendo ser um encontro importante.