Faz mais de um mês que Eduardo #cunha foi preso, por autorização do juiz Sérgio Moro. Preso pela operação Lava Jato, o ex-presidente da câmara, Eduardo Cunha (#PMDB), apresentou um pedido de liberdade, que foi negado pelo ministro Félix Fischer.

Segundo informações, o ministro em questão não autorizou a liberação de Cunha, por crer que há possibilidades reais de cometimento de novos crimes, se efetivamente Eduardo Cunha for solto. No dia 19 de outubro, Eduardo Cunha foi preso, e até então, a defesa não tinha apresentado nenhuma petição de soltura.

O esquema no qual Eduardo Cunha é acusado, é um caminho tortuoso comumente utilizado por outros políticos corruptos.

Publicidade
Publicidade

Ele recebia propinas referentes à exploração de petróleo na Africa do Sul, e utilizava a Suíça para lavar o dinheiro sujo.

Para quem não sabe, a Suíça é um dos países preferidos de políticos corruptos. O motivo é simples, países como a Suíça são considerados paraísos fiscais. Em suma, esses paraísos fiscais facilitam o empreendimento de grande fluxo de capital.

E a demanda é alta por uma única razão: em paraísos fiscais, a tributação é baixíssima, e em mutos casos, até mesmo nula. Ou seja, o indivíduo que injeta seu dinheiro em bancos suíços, não pagará imposto de renda.

As vantagens de se aplicar dinheiro em bancos suíços vão além da isenção de impostos. Quando se criar as "offshores", não é solicitado qualquer tipo de comprovação sobre as reais origens do dinheiro em questão. E é aí que entra Eduardo Cunha, ele aplicou o dinheiro da propina na Suíça, não pagou imposto, e além disso, lavou o dinheiro.

Publicidade

Além da Suíça, existem outros países que atuam da mesma forma. Entre os principais nomes, podemos citar Luxemburgo, Bermudas, Bahamas e Panamá.

Só para não deixar dúvidas, vale a pena salientar que a utilização desse tipo de esquema é literalmente plausível. A justiça não impede que o cidadão envie seus respectivos capitais para tais países, mas, é necessário pagar os impostos sobre àquele dinheiro, além de declarar a origem do mesmo.

A defesa de Cunha ainda não apresentou um conhecido recurso, que é o habeas corpus. A liberdade do mesmo, ainda poderá ser avaliada pela conhecida "Quinta turma". Brevemente saberemos se as apelações da defesa de Cunha, efetivamente , surtirão efeito. #Brasil