Todos já estão pensando como você! Isso mesmo, o deputado federal é filho do ex-chefe da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu. Nesta semana, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (#STF) e também relator da Operação #Lava Jato, determinou a abertura imediata de inquérito para apurar a participação do filho de Dirceu, no esquema fraudulento de #Corrupção que acontecia nas dependências da Petrobras.

Entenda parte do ocorrido

Zeca Dirceu é deputado federal vinculado ao Partido dos Trabalhadores (PT), e foi reeleito pelo estado do Paraná. Após um pedido protocolado pela "Procuradoria-Geral da República (PGR)", em que solicitou a investigação do parlamentar, o ministro Teori Zavascki, ordenou a apuração do suposto envolvimento de Zeca, com a operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

 

A presunção se baseia no delito de lavagem de dinheiro, mas, como o processo da Lava Jato é protegido por 'Segredo de Justiça', não foi possível a exibição dos respectivos detalhes. As informações foram publicadas pelo site do "Jornal do Brasil".

A defesa do filho de Dirceu divulgou uma nota repudiando o ocorrido e afirmando que o deputado federal nunca se envolveu em nenhuma espécie de acordos com diretores da Estatal, além disso, não participou de encontros ou compromissos com "empresas investigadas na Lava Jato", declararam os advogados do parlamentar.

Sobre as campanhas de Zeca Dirceu, os defensores esclareceram que todas as doações recebidas foram devidamente "declaradas e aprovadas, pela Justiça Eleitoral". Os advogados ainda revelaram que não havia nenhuma necessidade para tamanha desconfiança do deputado, haja avista que "Não existe um único fato sequer que justifique", ressaltando sobre a abertura do inquérito e que seguramente vão coletar dados dos registros de prestação de contas do parlamentar, enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Publicidade

Por fim, reforçaram a tese de que Dirceu filho não tem "nada a temer", argumentando que acreditam na competência do Supremo Tribunal Federal e tem certeza de que o pedido em seu desfavor foi realizado de modo equivocado, portanto, deverá ser arquivado em breve.

Envolvimento com carta difamatória

No mês de junho desse ano, o parlamentar se tornou suspeito de escrever cartas e distribuir panfletos com conteúdo difamatório contra um dos concorrentes a prefeitura do Paraná. Segundo o seu assessor Cícero Laurentino, todas as cartas foram escritas pelo próprio deputado, Zeca Dirceu. Declarou ainda que ele, somente fez a distribuição das correspondências. Laurentino foi levado para a delegacia local, ouvido e liberado. Quanto ao parlamentar, o delegado da polícia civil encaminhou o caso ao STF, uma vez que, o deputado federal tem foro privilegiado.