O senador, Lindbergh Farias (PT-RJ), ganhou grande destaque nas redes sociais, nos últimos dias. Através de sua página oficial do Facebook, o político repudiou a ação policial realizada na última sexta-feira, 4, quando a Operação Castra emitiu mandados de prisão para vários membros do MST.

A Operação

Vários militantes do movimento são acusados de fazer parte de uma organização criminosa que já cometeu incêndios, furtos, danos ao patrimônio, roubo, invasão de propriedade rural e urbana, porte ilegal de arma de fogo e cárcere privado.

A ação policial aconteceu na Escola Nacional Florestan Fernandes, destinada aos membros do MST e em outros dois estados.

Publicidade
Publicidade

Os policiais chegaram ao local e apresentaram o mandado de prisão, mas os funcionários impediram as autoridades de entrar na escola. Por conta disso e munidos de poder especial por conta do mandado, os policiais pularam a janela para realizar a prisão. Funcionários e membros do MST desacataram os policiais e geraram tumulto. Duas pessoas foram detidas por desacato.

A reação política

Lindbergh Farias dedicou inúmeras publicações na #Internet para criticar a polícia civil de São Paulo e no dia seguinte, sábado, 5, ele, o ex-presidente Lula e alguns políticos do PT, como o deputado federal, Paulo Teixeira, realizaram um evento na mesma escola, para reforçar o seu repúdio ao ato policial. Lindbergh chamou a polícia de autoritária, truculenta e culpou o governador Geraldo Alkmin pela ação. Pelo Facebook, Farias tem dedicado suas publicações para defender o MST e ocupações de escolas.

Publicidade

Veja uma das diversas publicações de Lindbergh sobre o assunto:

Recentemente, Lindbergh também repudiou uma ação da Polícia Militar do Estado de São Paulo, devido o mesmo participar de uma manifestação contra o governo de Michel Temer, e a polícia usar gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes, que estavam quebrando propriedades e bens e gerando tumulto. O senador e outros políticos foram atingidos pelo gás e ameaçaram denunciar, internacionalmente, a PM paulista. #Casos de polícia #Câmara dos Deputados