Em um depoimento prestado nessa quinta-feira (24), para a Polícia Federal, o ex-ministro da cultura, Marcelo Calero, fez uma afirmação extremamente comprometedora e complicou ainda mais a situação do presidente da República, #Michel Temer, perante a PF. Calero afirmou que Michel Temer o “enquadrou” para que solucionasse ou encontrasse uma “saída rápida” para o embargo feito na construção do empreendimento, realizado em Salvador, chamado de “La Vue da Barra”. Empreendimento esse onde o ministro da Secretaria de #Governo, Geddel Vieira Lima, adquiriu uma unidade.

Segundo consta no documento enviado ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria Geral da República, nessa quinta-feira, o depoente Marcelo Calero afirmou que, na última quinta-feira (17), foi convocado para uma reunião com Michel Temer, no Palácio do Planalto.

Publicidade
Publicidade

Nessa reunião, Temer teria dito a Calero que Geddel Vieira de Lima estava “bastante irritado” com o atraso na obra em Salvador, que havia sido embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Calero afirmou que Temer disse a ele que “construísse” uma saída rápida e proprôs que o ex-ministro procurasse a Advocacia Geral da União (AGU) para que uma solução para o assunto fosse encontrada. Segundo o ex-ministro, Temer teria dito que a ministra Grace Mendonça solucionaria o problema.

Calero ainda afirmou que a “pressão” de Geddel em Temer era um fato extremamente normal, já que o ministro era um amigo particular do presidente da República há mais de vinte anos. Calero disse também que Temer, ao final da reunião, fez a seguinte afirmação: “a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão”.

Publicidade

Decepção

Calero terminou seu depoimento dizendo que, após esse “enquadramento” do próprio presidente da República, ele sentiu uma grande decepção e que não viu nenhuma saída para resolver esse assunto tratado na reunião. A única forma então que lhe veio à mente foi a de sair do governo, pedindo demissão a Michel Temer.

Temer se pronunciou

O presidente Michel Temer, através de nota, disse que tratou apenas duas vezes do assunto com o ex-ministro Calero e negou que tenha feito o “enquadramento” descrito pelo ex-ministro à #Polícia Federal.