Mais um escândalo abala os alicerces do Congresso Nacional, principalmente do Senado da República. Trata-se de envolvimento do marido de uma das senadoras comunistas que fazem parte da tropa lulo petista no Congresso Nacional. A #Corrupção desenfreada atinge desta vez, Eron Bezerra, que é casado com a senadora comunista pelo estado do amazonas, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Grazziotin foi fiel defensora no pelotão de choque da petista #Dilma Rousseff. A ex-presidente foi defenestrada do poder, através de um processo de impeachment que culminou em seu afastamento definitivo do cargo de presidente da República. Dilma foi acusada por maquiar as contas públicas do País e também por haver feito as chamadas "pedaladas fiscais".

Publicidade
Publicidade

Embora, Grazziotin utilizasse o discurso do "golpe", com o intuito de proteger o mandato de Dilma Rousseff, responsável por mergulhar o Brasil em uma das piores crises política, econômica e moral de toda sua história, o Ministério Público Federal aponta que quem possa ter aplicado "golpes", é o marido da senadora comunista.

Corrupção na Zona Franca de Manaus

O Ministério Público Federal do estado do Amazonas aponta que Eronildo Braga Bezerra, esposo de Vanessa Grazziotin, aplicou "golpes" aos cofres públicos do estado do Amazonas, quando desviou dinheiro, durante período em que era o secretário de Produção Rural do Estado do Amazonas (SEPROR). Durante a administração do esposo de Vanessa Grazziotin à frente da SEPROR, um convênio foi firmado junto à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Publicidade

na quantia de R$ 597.878,84. O intuito seria aplicar esse valor para implantar a construção do Pólo Moveleiro de Manaus. Desse montante, R$ 543.526,22 eram recursos do governo federal e o restante do governo do estado do Amazonas. Os recursos para pagamentos de construção do Pólo Moveleiro, foram utilizados entre os períodos de dezembro de 2009 e janeiro de 2011. Porém, o que intriga os procuradores federais é que a obra jamais foi concretizada, através da constatação de uma auditoria interna da Suframa. Ainda segundo uma fiscalização do órgão, apenas 17,36% da construção estava pronto e mesmo assim, "não apresentava nenhum tipo de serventia à sociedade", segundo a auditoria. Embora Eron tivesse devolvido cerca de R$ 481.381,83, o procurador federal Leonardo Gonçalves Juzinskas, entendeu que o valor devolvido não era suficiente para o ressarcimento dos cofres públicos. O MPF do Amazonas entrou com uma ação de improbidade administrativa contra Eron, além do pedido de suspensão dos direitos políticos, perda da função pública e indisponibilidade dos bens do marido da senadora comunista Vanessa Grazziotin.

#Senado Federal