Duda Mendonça, marqueteiro dos políticos, tenta firmar uma #Delação premiada que o livre da prisão e complique políticos conhecidos nacionalmente, dentre eles o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Além do senador que fez parte da bancada de defesa de Dilma Rousseff, no julgamento do impeachment, Duda pode entregar o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, e o ex-senador Hélio Costa, do PMDB. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Duda estaria disposto a delatar que recebeu Caixa 2 de todos os políticos citados, durante a campanha política das eleições de 2010.

A defesa dos políticos

O ex-senador Hélio Costa afirmou que toda a sua campanha foi feita pelo seu partido, PMDB, mas que, ainda assim, todo e qualquer valor que Duda Mendonça tenha recebido, foi oficial, não extrapolando o permitido por lei.

Publicidade
Publicidade

Já o governador de Minas Gerais, através de seu advogado, disse que não irá comentar o caso, pois não tem conhecimento oficial sobre o assunto, de forma que, para ele, a delação não passa de uma ‘difamação premiada’. Já Lindbergh Farias, afirma que qualquer contribuição feita durante campanha eleitoral, foi dentro da legalidade.

Informações contestadas

Uma eventual delação de Duda Mendonça tem sido contestada desde que começou a ser divulgada. O marqueteiro chegou a dizer que o presidente da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, soube que sua campanha política seria bancada pela empreiteira Odebrecht, através de Caixa 2, durante todo o tempo. O político rebateu as acusações de Mendonça, chamando-as de absurdas.

Apesar das informações preliminares, reais ou não, divulgadas pelo marqueteiro, ainda não se sabe se sua proposta de delação será aceita.

Publicidade

Caso não seja, ele pode ser preso. Caso a proposta seja aprovada, a polícia poderá utilizá-la para incluir em inquéritos e aprofundar as investigações, podendo ou não indiciar os envolvidos, após minuciosa análise do conteúdo que terá em mãos. Não há um prazo para análise da proposta de Mendonça.  #Lava Jato #Câmara dos Deputados