O presidente da República, #Michel Temer, anunciou nesta segunda-feira (07), a retomada de mais de mil obras espalhadas por todo o território brasileiro. O período será de aproximadamente, quatro meses. O presidente Temer resolveu fazer o anúncio na companhia de diversos ministros do governo federal. O custo total das obras poderá alcançar a cifra de R$ 2 bilhões em investimentos do #Governo.

Canteiro de obras

O Brasil poderá se transformar nos próximos meses num verdadeiro canteiro de obras. Serão retomadas mais de mil e seiscentas obras que se encontram paralisadas e inacabadas. A meta de Michel Temer é reativar nos próximos 90 a 120 dias, cerca de 1110 empreendimentos, em mais de mil cidades espalhadas pelos vinte e seis estados brasileiros, além do Distrito Federal.

Publicidade
Publicidade

Segundo o presidente Temer, as obras fazem parte de um plano nacional que pretende sanar as necessidades básicas dos municípios, principalmente em investimentos destinados à creches, postos de saúde, pré-escolas e aeroportos. O principal objetivo do governo federal, é alavancar a criação de mais de quarenta e cinco mil #Empregos em todo o País. O presidente Temer declarou ainda que "a tese de prosseguir com as obras que estão paralisadas tem em vista o que o governo deseja. Gerar empregos no Brasil", afirmou o mandatário. Ainda de acordo com o presidente: "as obras que serão realizadas e retomadas, terão como critério fundamental, a transparência, além de inaugurar o chamado Governo Digital, que por meio de um aplicativo desenvolvido chamado de Desenvolve Brasil, terá papel pioneiro na governança digital", ressaltou Temer.

Publicidade

Ele concluiu dizendo que "qualquer cidadão poderá estar apto para fazer o acompanhamento das ações governamentais e ainda poder apresentar sugestões", afirmou. Os custos foram minimizados pelo presidente, já que segundo Temer, o custo total terá uma "importância razoável", na ordem de R$ 2 bilhões. O governo federal realizou cálculos que apontam que os recursos prioritários destinados a cada ministério, possuem gastos que giram em torno de R$ 500 mil a R$ 10 milhões, para cada um deles.