A CUT (Central Única dos #Trabalhadores) deverá ser "rachada" pelo presidente da República Michel Temer, ele tenta mobilizar os #Sindicatos Força e a UGT (União Geral dos Trabalhadores) para tentar minimizar as reivindicações da oposição que, atualmente, se manifesta com ações contra o #Governo de Temer, tentando combater suas propostas da reforma da Previdência e trabalhistas.

A CUT é o movimento sindical mais ligado ao PT (Partidos dos Trabalhadores), o alvoroço entre a CUT e o governo fará com que o ministro da Fazenda Henrique Meirelles dialogue com sindicalistas, o objetivo é aliviar o impacto das mudanças que o governo promete sobre a reação negativa entre os trabalhadores.

Publicidade
Publicidade

A UGT vai ser responsável em reunir um encontro com sindicalistas e o ministro.

O governo quer apresentar e explicar a necessidade das reformas para os sindicalistas. A CUT é menor em número de filiados que as outras duas sindicais que o governo busca "apoio" para discursar. Conforme a Força e a UGT fiquem ao lado de Temer, o governo promete aumentar o espaço de gestão dessas sindicâncias.

Temer se encontrou com Ricardo Patah, presidente da UGT, e, a partir das conversas, decidiram que levariam Henrique Meirelles para esse encontro com as centrais sindicais. Patah avaliou que o encontro será um evento grande e que Michel Temer apoiou a ideia, ele também disse que a sociedade deve participar e os debates devem ser levados além meio empresarial. O presidente da UGT é filiado do PSD, partido do ministro Gilberto Kassab.

Publicidade

O objetivo da reunião é tirar as dúvidas que surgem com as propostas de mudanças do governo, Patah promete que o encontro será aberto para os presidentes estaduais e cita que a relação entre os sindicatos e o governo é respeitosa e as questões devem ser analisadas, "não vamos ser contra apenas por sermos contra”, diz Patah.

Michel Temer já teve sua primeira vitória contra a CUT quando o Dia Nacional da Greve foi um fracasso, a UGT e a Força decidiram não participar. O deputado Paulinho da Força (SD-SP) avaliou que o evento teria dizeres como "Fora, Temer" e que para eles, isso é coisa do passado.