Nesta terça-feira (08), o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, marcou o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o dia 30 de novembro. #Lula falará como testemunha do ex-presidente da Câmara #Eduardo Cunha. O juiz pediu para que Lula dê o seu depoimento por videoconferência. Assim, basta o ex-presidente ir até à Justiça Federal de São Bernardo do Campo, local onde mora.

O presidente do Brasil, Michel Temer, também receberá notificação para o depoimento. Conforme a legislação, o presidente pode escolher se fala diretamente com o juiz ou responde por escrito às perguntas formuladas pelos procuradores, advogados e o próprio Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Esse benefício de Temer está no Código de Processo Penal e vale para, além do presidente, vice-presidente, deputados, senadores e ministros.

Em duas notificações já feitas pela Operação Lava Jato, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, respondeu aos procuradores por escrito. Foi uma decisão dele. A ex-presidente Dilma Rousseff, que na época foi chamada para ser testemunha da empresa Odebrecht, também escolheu essa alternativa, de responder os questionamentos por escrito. Porém, a defesa da Odebrecht mudou os planos e tirou Dilma como testemunha.

Além de Lula e Temer, prestarão depoimentos o professor de direito penal José Tadeu de Chiara, o engenheiro da Petrobrás, Sócrates Marques da Silva e o ex-vice governador do Distrito Federal, Nelson Tadeu Filipelli.

Eduardo Cunha

O ex-deputado Eduardo Cunha está preso desde 19 de outubro.

Publicidade

Ele é acusado de ter contas secretas na Suíça e de receber propina nos contratos de exploração de Petróleo, na África. A defesa de Cunha não concorda com sua prisão e fala que não tem nenhuma prova de que o ex-deputado participou do esquema de propina.

Denúncia

Os advogados de Eduardo Cunha querem que a denúncia contra ele seja rejeitada e estão lutando por isso. Eles pedem também a rejeição das denúncias de conduta criminosa de Cunha, em relação ao ex-diretor da Petrobrás, Jorge Zelada, que inclusive, já foi condenado pela Operação. #SérgioMoro