Na madrugada desta última quarta-feira (30), o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) afirmou que o pacote de medidas anticorrupção, proposto pelo Ministério Público Federal e aprovado pela #Câmara dos Deputados, foi "desfigurado". Segundo Lorenzoni que também é o relator do projeto, o pacote visava combater a impunidade de julgados por crimes de #Corrupção, mas com as mudanças feitas pelos deputados, não será isso que vai acontecer. Na visão do deputado e do #MPF, o pacote colocou uma "intimidação" aos juízes e promotores,

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o resultado da votação, ele afirmou que o ato foi democrático, pois foi feita a vontade da maioria dos deputados.

Publicidade
Publicidade

O fato dos juízes e promotores sentirem-se intimidados, foi a inclusão de uma medida que os pune por crime de abuso de autoridade. O que chama atenção no episódio é que a maioria dos deputados, que votaram a favor do projeto, estão sendo investigados por crimes que envolvem corrupção na empresa Petrobras.

Parlamentares argumentam que a lei deve servir para todas as pessoas e citam que ninguém deve ser privilegiado, o resultado da votação foi 132 deputados contra e 312 a favor, sendo que 5 renunciaram. A força-tarefa da Lava Jato, operação que investiga grandes nomes da sociedade, foi contra as mudanças na emenda e fez duras críticas.

Ministério Público Federal

Em nota, o MPF repudiou a atitude dos parlamentares, eles enfatizaram que o princípio das "dez medidas contra a corrupção" era para ajudar a combater a corrupção, não para tirar a independência do poder Judiciário punindo juízes que estão processando e julgando crimes.

Publicidade

A nota também diz que isso seria uma "vingança, intimidação e acovardamento" dos deputados.

O procurador da República e coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, utilizou a rede social Twitter para explicar as consequências da qual ele chamou de "lei da intimidação". Outra parte que foi alterada pelos deputados, foi a responsabilização de partidos políticos por crimes de corrupção. Um dos objetivos da emenda era punir os partidos quando houver crimes, mas os deputados retiraram essa parte do texto.