O presidente do Senado, #Renan Calheiros, decidiu convidar o juiz Sérgio Moro para discutirem o projeto de lei sobre o "abuso de autoridade". A data do encontro de Moro com Renan será dia 1° de dezembro. Participarão também da reunião outros convidados de Renan: o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, representantes do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com Renan, trazer essas pessoas honrosas é a forma de valorizar a democracia. "Vamos dialogar, ouvir os argumentos de ambos os lados", disse o presidente do Senado.

Provocação

O peemedebista disse que o convite feito para o juiz Sérgio Moro não seria uma provocação, como algumas pessoas estão dizendo.

Publicidade
Publicidade

Segundo Renan, qualquer pessoa de "bom senso" tem capacidade de entender que "abuso de autoridade" é algo errado e não deve existir.

Renan ainda não achou ninguém para ser relator do processo. Parece que as pessoas estão com medo de assumir esse assunto polêmico.

Moro e Janot já se posicionaram contra esse projeto de lei. Será uma boa discussão. Estará presente também o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e o ministro Gilmar Mendes.

O projeto de lei que pune o "abuso de autoridade" é do ano de 2009 e foi retomado após discussão entre o presidente do Senado e o Ministério Público. Esse desentendimento aconteceu quando a Polícia Federal realizou buscas e apreensões dentro do Senado com autorização do Ministério Público. Renan se irritou muito com isso e partiu para o ataque contra os responsáveis pelas investigações no Senado.

Publicidade

A Operação que apreendeu computadores do Senado foi chamada de Métis e ocorreu no mês de julho deste ano.

Essa proposta defendida pelo peemedebista é duramente criticada pela força-tarefa da Lava Jato, que sente uma ameaça na Operação.

Debates

O presidente do Senado quer realizar debates e expor todos os conceitos deste projeto de lei. Ele quer muito falar com Sérgio Moro e com o procurador da República, Deltan Dallagnol. Renan fará duas sessões para discutir a lei. #SérgioMoro #Legislação