Os diversos programas sociais lançados durante os pouco mais de 13 anos de governos petistas à frente do Brasil fizeram uma diferença considerável na vida de milhões de brasileiros. Programas como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida ofereceram a tão sonhada casa própria e um incetivo financeiro para que milhões dessem um salto em suas vidas. Prouni e Fies foram responsáveis por abrir as portas de universidades para inúmeros jovens brasileiros que não teriam a oportunidade de ingressas em um curso superior sem esses programas.

Mas e agora com o Partido dos Trabalhadores bem longe do Governo Federal, o que aconteceu com os programas sociais nas mãos de Michel Temer nesses seus seis meses à frente da presidência da República?

Bolsa Família

Um dos primeiros atos de #Michel Temer, menos de dois meses após sua posse, foi realizar um reajuste de 12,5% no valor do benefício.

Publicidade
Publicidade

O último aumento havia sido feito há dois anos.

O aumento da fiscalização no programa também é um fator relevante no governo Temer. O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário realizou uma investigação com a ajuda de base de dados e cancelou 469 mil benefícios, além de ter bloqueado outros 654 mil. O que representa aproximadamente 8% do total de beneficiários inscritos no programa.

É importante ressaltar que esse 'pente fino' realizado pelo Governo Temer não é algo inédito. Em 2014, no ano de eleições presidenciais, o governo de Dilma Rousseff ordenou uma fiscalização e entre beneficiários cancelados e bloqueados, foram 1.290 milhão de benefícios, mais do que o realizado pelo governo do peemedebista

Minha Casa Minha Vida

O programa que subsidia moradia para famílias mais necessitadas talvez seja o que está sofrendo mais cortes no governo Temer.

Publicidade

Porém é importante relativizar, pois o Minha Casa Minha Vida já tinha tendo queda em seus investimentos. Em 2013, por exemplo, foram contratadas 537 mil unidades. Já em 2015 esse número foi de apenas 16,9 mil. Até setembro de 2016 tinha sido apenas 32,5 mil.

Segundo o Orçamento previsto para o próximo ano, imagina-se que serão contratas 170 mil unidades para a faixa 1 (familias com renda de até R$ 1,800) e 140 mil unidades para as outras faixas (famílias com renda máxima de R$ 6.500).

Prouni e Fies

Outro programa que sofreu nos primeiros meses do governo de Michel Temer foi o Financiamento Estudantil (Fies). As universidade e os alunos tiveram problemas com os atrasos nos repasses por parte dos bancos para as instituições educacionais. Da mesma forma que consta para o Minha Casa Minha Vida, a proposta Orçamentária que será votada pelo Congresso deve aumentar o repasse de recursos para esse programa. Em 2016, a previsão é de 18,7 bilhões, já em 2017, caso o Orçamento seja aprovado, o valor será de R$ 21 bilhões.

Publicidade

Os números oficiais do Programa Universidade para Todos (Prouni), o qual permite que universidades ofereçam bolsas de 50% e 100% para estudantes em troca de abatimento nos impostos, são os seguintes: no segundo semestre de 2015 eram 116 mil bolsas. No mesmo período esse ano elas representam 125,5 mil. #PT #Dentro da política