Nesta terça-feira (29), a ministra presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, evidenciou o projeto que caminha na Câmara dos Deputados, a proposta de punir juízes por crimes de responsabilidade e o projeto do Senado Federal, que visa modificar a Lei de Abuso e Autoridade. Cármen Lúcia afirmou que isso não passa de uma tentativa de criminalizar juízes, ela cita que a ditadura nada mais é, que dispensar as regras da Constituição Brasileira.

Cármen estava presente na sessão extraordinária do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ela enfatizou que, se um juiz não tiver a independência necessária, ele não passará de um "carimbador de despachos".

Publicidade
Publicidade

A juíza disse que, nesses últimos dias, a classe dos magistrados está sofrendo ameaças, com tentativas de barrar a atuação os juízes.

Cármen Lúcia diz que os juízes estão sendo "amordaçados", ela citou que três juízes do STF foram cassados por não fazer a vontade, desagradando o que ela chamou de "donos do poder". A ministra enfatiza que o judiciário é composto por seres humanos que podem errar, mas mesmo assim, vem apresentado uma firmeza perante a sociedade, com compromisso e democracia. A CNJ é o órgão que fiscaliza os juízes e os pune caso encontre erros de conduta.

A ministra disse que não é interessante para o Brasil a criminalização dos juízes, ela diz que isso é "fulminar a democracia". A presidente do STF termina seu discurso dizendo que não é luxo ter Justiça no Brasil, sendo isso uma forma de viver em paz, ela afirma que todos devem procurar construir um país melhor.

Publicidade

Senado e Câmara dos Deputados

O presidente do Senado Federal, #Renan Calheiros (PMDB-AL), é autor do projeto de Lei de abuso e autoridade, no próximo dia primeiro será realizado a sessão no Senado que terá a presença do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato e o ministro Gilmar Mendes do STF, será discutido a modificação na lei. A Câmara dos Deputados votará nesta terça-feira (29), sobre os projeto das medidas contra a corrupção e também sobre crime de responsabilidade para magistrados. #SérgioMoro #CármenLúcia