A funcionária pública comissionada na Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP), Thaynara Melo Rodrigues, ganha um salário de R$ 5.855,82, ela tem 22 anos e é coordenadora de Articulação Institucional, ela é responsável pelo programa "Paz nas Escolas", que tem o objetivo de promover conversas pacíficas entre a diretoria escolar, alunos e órgãos públicos na Subsecretaria de Segurança Cidadã, que pertence à SSP.

O trabalho de Thaynara tem o objetivo de ajudar nos conflitos escolares, seu cargo induz à pacificação. O fato de Thaynara ocupar escolas públicas e a Universidade de Brasília (UnB) chamou a atenção, já que as ocupações da escolas prejudicaram cerca de 280 mil alunos para a realização do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), isso transmitiria um "conflito de interesses" com sua profissão no #Governo de Brasília.

Publicidade
Publicidade

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Paz Social (SSP-DF) foi procurada para prestar esclarecimentos sobre as atividades de Thaynara. O SSP respondeu que tem conhecimento dela participar dessas ocupações, e que as atividades que ela promove nas ocupações são "inerentes às atribuições do cargo”. O órgão também foi questionado se o fato de Thaynara estar presente nas ocupações não seria no tempo em que ela deveria estar trabalhando, a SSP preferiu não responder.

Thaynara Melo trabalha com Rodrigo Rollemberg, governador do Distrito Federal pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB). Nas suas redes sociais, a jovem mostra ao público como estão ocorrendo as ocupações, em uma foto publicada ela convida as pessoas para participar das ocupações e cita que a "UnB acordou".

Argumentos

A moça tentou esclarecer os acontecimentos e enfatizou que ela nunca teria se ausentado do seu trabalho para ir às ocupações, disse também que ela é diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE), e que ela é contra a PEC 241.

Publicidade

Informou que as ocupações foram realizadas de forma democrática. Ela cita que o governo de Brasília está lidando com isso de forma clara e que seu direito de expressão fora do ambiente de trabalho não foi barrado como cidadã. #ocupação #Escola