O senador petista #Lindbergh Farias utilizou muito mais dinheiro com passagens aéreas do que os deputados federais investigados. Uma denúncia feita aponta que parlamentares tiveram excessivos gastos com viagens, a "farra das passagens" apurou que o deputado federal que mais gastou se utilizou de R$ 100 mil. Já o senador Farias teria pedido um reembolso para o Senado Federal no valor de R$ 244.963,33 para pagar suas viagens. Em comparação com o deputado federal mais "gastão", Farias se sobressai com mais que o dobro do valor apresentado na denúncia.

O valor de mais de duzentos mil reais daria para fazer 348 viagens de avião para o Rio de Janeiro, contando passagem de ida e volta em um total de 304 dias.

Publicidade
Publicidade

O Ministério Público Federal (MPF) apurou que familiares de políticos que não têm vínculo nenhum com a Câmara dos Deputados teriam se aproveitado do uso das passagens. A denúncia envolveu valores que partiram de R$ 500 reais até R$ 100 mil. 

Os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Antônio Palocci (#PT) são alguns dos nomes que aparecem na lista, o atual secretário do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, também se exibe como gastador. A denúncia envolve nomes de 443 parlamentares divididos em 52 denúncias. O MPF quer a devolução do valor de todas as passagens que foram injustamente realizadas.

Investigações 

Entre 2007 e 2009 foram mais de 112 mil passagens indevidas, na época, o petista Arlindo Chinaglia era presidente da Câmara. O procurador Regional da República Elton Ghersel informou que está ficando evidente que as passagens supriram necessidades particulares de parlamentares envolvendo nomes de suas famílias, sendo que o propósito inicial era apenas para políticos realizarem idas a eventos oficiais, excluindo qualquer vínculo parentesco.

Publicidade

Alguns dos investigados têm foro privilegiado fazendo com que os deputados sejam julgados pelo Tribunal Regional Federal (TRF). A condenação para este tipo de #Corrupção é de 2 a 12 anos de prisão podendo fazem com que parlamentares percam seus cargos públicos. No ano de 2009, em um reportagem, Ciro Gomes e Moreira Franco afirmaram que não havia nenhum tipo de irregularidade com suas passagens aéreas.