Uma nova suspeita pode tirar a tranquilidade do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Investigações da Polícia Federal (PF) no âmbito da operação Lava Jato apontam que a Construtora Odebrecht pode ter sido a responsável pela obra da 'super piscina' detrás do Palácio da Alvorada, para satisfazer os caprichos do petista.

Entenda o Caso

Durante o segundo mandato de Lula, ocorreu no Palácio da Alvorada algo inusitado, ou seja, a piscina que fica na dependência da residência oficial do Presidente da República foi totalmente restaurada, sendo que não houve nenhum processo licitatório, tampouco, um "registro público" que licenciasse a obra.

Publicidade
Publicidade

O fato foi constatado após a investigação da PF ao analisar as mensagens trocadas em 2008, por alguns empresários investigados pela Operação Lava Jato e o ex-presidente da #Odebrecht, Marcelo Odebrecht, que naquela época, ainda respondia pela direção da empresa.

A justificativa talvez tenha sido em decorrência das bondades ofertadas pela Odebrecht, em troca das generosidades do ex-presidente ao conceder favores a empreiteira. Lula se tornou réu em três processos, os quais apuram justamente pagamentos e recebimentos de vantagens indevidas (propinas), em troca de facilidades na esfera federal. Entretanto, as acusações somente foram hipoteticamente constatadas após o término do mandato, ou seja, ao final dos oitos anos quando o petista entregou o cargo da presidência da República.

No entanto, a veracidade dos fatos seria a comprovação de que Lula agiu com 'desonestidade' no exercício de sua função, o que provavelmente deverá ser reconhecido por meio de sondagens aos impactos positivos, que por ventura, a empreiteira tenha alcançado em âmbito nacional ou internacional, contudo, caberá a Polícia Federal avaliar os resultados do período.

Publicidade

Todas as informações são oriundas da publicação do jornal "Folha de S.Paulo" que revelou ter tido acesso aos documentos que comprovaram que a "reforma foi realizada na piscina da Alvorada". Ratificou ainda que, todos os funcionários ou pessoas vinculadas a Odebrecht, certificaram sobre a obra e o mais assustador: "sem ter contrato".

Ainda segundo a reportagem, além do conteúdo que se encontra em poder da PF, há vários e-mails com trocas de mensagens comprometedoras, as quais se referem ao ex-presidente pelo seu codinome, ou seja, "amigo", também descoberto por intermédio de uma planilha apreendida por policiais na sede da empreiteira.

A equipe de reportagem do jornal procurou a assessoria do petista para maiores esclarecimentos, mas, infelizmente ninguém se prontificou a responder sobre as questões mencionadas. Quanto a assessoria de comunicação da empreiteira, foi divulgado que os funcionários e empresários não estão autorizados a comentar o ocorrido em decorrência de acordos de delações premiadas fechados com a Justiça, dessa forma, as investigações e o processo seguem em segredo de Justiça. #Lava Jato