Logo pela manhã desta quinta-feira (17), mais um mandado de prisão no Rio de Janeiro foi cumprido. Sérgio Cabral, ex-governador do estado, foi levado pelos agentes da Polícia Federal.

Dois mandados de prisão foram expedidos contra o ex-governador, um pelo juiz federal responsável em comandar a Operação Lava Jato, Sérgio Moro, e outro pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio. Cabral foi encontrado em seu próprio apartamento que fica situado no Leblon, zona sul do Rio de Janeiro.

Sérgio Cabral é acusado de ter desviado R$ 224 milhões de acordo com laudos divulgados pelo Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Além da Lava Jato, Cabral é um dos alvos da Operação Calicute (desdobramento da Lava Jato) na qual o ex-governador é acusado de cartelização de grandes obras que foram executadas durante seu mandato no governo.

Segundo os investigadores da PF, existem fortes indícios do envolvimento de Cabral no esquema de pagamento de propinas a agentes públicos fazendo uso de recursos federais.

Além de Cabral, a sua mulher Adriana Ancelmo também foi levada pelos agentes nesta manhã, mas não para a prisão, e sim para depor coercitivamente (obrigatoriamente) na Superintendência da #Polícia Federal, que fica situada na zona portuária do Rio de Janeiro.

Cabral é o segundo ex-governador a ser preso no Rio em 48 horas

Na quarta-feira (16), o ex-governador Anthony Garotinho também foi levado à prisão pelos agentes da Polícia Federal.

Publicidade

Ele é investigado na operação “Chequinho” que investiga irregularidades no programa “Cheque Cidadão”, no qual Garotinho é acusado de ter comprado votos e de ter praticado diversas fraudes eleitorais.

No caso de Garotinho, a determinação da prisão foi expedida pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira.

A operação deflagrada hoje ainda está em curso e, em sua totalidade, duzentos e trinta agentes estão trabalhando para cumprir trinta e oito mandados de busca e apreensão, quatorze mandados de depoimento feitos de forma coercitiva e oito mandados de prisão. #Justiça #Sergio Moro