Na noite dessa quarta-feira (23), durante o evento de lançamento do livro “Operação Mãos Limpas”, o juiz Sérgio Moro se mostrou totalmente contra o projeto de lei que está em discussão no Senado Federal, sobre o abuso de autoridade de agentes públicos. Moro foi enfático em seu posicionamento, e de forma clara e objetiva, defendeu a “não aprovação das medidas” e pediu para que haja uma sensibilidade dos parlamentares em analisar o conteúdo novas regras.

“Eu espero que não aprovem projetos de lei que limitam a atuação de agentes públicos. Se for aprovado, como que um juiz vai ter liberdade de tomar suas decisões”.

Para o comandante da #Lava Jato, se tais medidas forem aprovadas, os juízes ficarão receosos em tomar suas decisões, pois poderão ser processados se as decisões forem tomadas fora das hipóteses legais.

Publicidade
Publicidade

Dez medidas contra a corrupção

O projeto enviado ao Congresso Nacional que teve amplo apoio popular, as “Dez medidas para corrupção” também foi um dos temas comentados pelo juiz federal de 1ª instância. Para ele, medidas dessa envergadura devem ser aprovadas de forma imediata para tornar o poder judiciário mais eficiente.

No ponto de vista do juiz, oportunidades como essa não podem ser perdidas. Ele defendeu que pelo menos, parcialmente, o projeto de combate a corrupção deve ser aprovado, pois entende as divergências que poderão ocorrer nas discussões dos parlamentares.

“Se não for possível integralmente, pelo menos parcialmente”, afirmou o magistrado no evento de lançamento da versão em português do livro que se tornou uma referência ao combate a corrupção, já que a obra relata todos os fatos ocorridos no combate a corrupção na Itália na década de 90, na “Operação Mãos Limpas”.

Publicidade

Ao final de sua entrevista, Sérgio Moro afirmou que o apoio das milhões de pessoas que foram as ruas nas manifestações contra a corrupção foi fundamental para o sucesso da Operação Lava Jato. Segundo ele, a corrupção não é somente um problema de juízes, mas de todos que participam do processo democrático no país. #SérgioMoro #Justiça