O juiz federal responsável em comandar as decisões da Operação #Lava Jato, Sérgio Moro, demonstrou irritação e mandou que fosse refeito (num prazo de três dias) um relatório apresentado por um agente da Polícia Federal, nessa segunda-feira (14). A irritação de Moro tem a ver com uma atitude, a qual ele classificou como “leviana”, de citar o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Tofolli em um dos inquéritos que investigam “a influência” de José Carlos Bumlai e seu filho, Maurício Barros Bumlai, nos três poderes, inclusive na maior corte jurídica do país, no período em que Luiz Inácio Lula da Silva estava na presidência.

Segundo Moro, uma pessoa não pode ser citada em um documento de tal relevância apenas por “ter seu nome em uma agenda telefônica”.

Publicidade
Publicidade

O juiz chegou à conclusão, após ler os laudos e verificar que o relatório ressalvava o envolvimento de diversas autoridades públicas, inclusive a de Dias Toffoli devido ao arquivo de telefones apreendido com Maurício de Barros Bumlai, pela Polícia Federal em uma operação de busca e apreensão.

Justificativa para decisão

Moro justificou sua decisão de retirar o nome de Dias Toffoli alegando que “a simples menção de nomes não significa o envolvimento, direto ou indireto dos citados em eventuais delitos objeto da investigação em curso”.

“Um investigado que tenha em sua agenda de telefone o número de autoridades não significa que ele possa ter influência sobre elas”, escreveu Moro no despacho enviado hoje.

Moro também classificou que a inclusão do nome de Tofolli nos autos, não possui "base empírica e temerária" e que é necessário que exista as devidas cautelas para que se evite a repetição do ato.

Publicidade

O responsável em refazer o documento será o delegado da Polícia Federal Filipe Pace, segundo informação veiculada no site da revista “Isto é”. Fillipe Pace recebeu um telefonema de Sérgio Moro, e logo enviou o documento à base de dados do (Núcleo de Análise do Grupo de Trabalho-Lava Jato) que irá confeccionar um novo documento investigativo sem o trecho no qual Dias Toffoli é citado. #SérgioMoro #Justiça